Serviço migratório americano detecta 19 casos de Covid-19 em centros de detenção

(Março/2020) Agentes americanos deportam cidadão mexicano na fronteira

O Serviço de Imigração e Controle Alfandegário dos Estados Unidos (ICE) confirmou nesta terça-feira que 19 pessoas retidas em seus centros de detenção em vários estados estão com Covid-19.

"Há 19 casos confirmados da doença entre as pessoas que estão sob custódia do ICE", anunciou o órgão, no momento em que o vírus já matou mais de 11 mil pessoas nos Estados Unidos.

Entre os casos, seis foram detectados em três instalações do estado de Nova Jersey, vizinho a Nova York. O novo coronavírus já causou 5.489 mortes no estado de Nova York, cifra que representa metade dos óbitos em nível nacional.

Entre os demais infectados, cinco estavam em Pike, Pensilvânia, e outro na prisão do condado de York, no mesmo estado. Segundo o ICE, os demais casos foram registrados em Arizona, Michigan, Louisiana e Califórnia.

Na prisão do condado de Clair, em Michigan, há um cubano de 67 anos que foi infectado por um brasileiro de 29 no centro de detenção de Essex, em Nova Jersey.

Após as notificações, o juiz John E. Jones, de Nova Jersey, decidiu soltar 22 detidos que apresentavam condições de risco.

"Agora parece que se materializaram nossos piores medos sobre a expansão da COVID-19", escreveu o juiz Jones.

"Não podemos permitir que solicitantes que temos aqui, com um alto risco de complicações severas pelo COVID-19, tenham que sofrer com a falta de ação do ICE", destacou o juiz, que na semana passada já havia libertado 11 imigrantes.

As organizações de direitos humanos pediam há semanas ao ICE a libertação de todos os imigrantes.

"Lamentavelmente sabíamos que um foco (de COVID-19) em um centro de detenção do ICE era inevitável, por isto insistimos na libertação imediata de todos os detidos nas últimas semanas", disse à AFP a Immigrant Alliance for Justice and Equity, organização com sede no Mississipi.

A organização afirma que o ICE "não é capaz de oferecer cuidados aos detidos, cujos delitos migratórios estão se transformando em penas de morte".

O ICE informou que sete de seus funcionários que trabalham em centros de detenção foram infectados pelo novo coronavírus, do mesmo modo que outros 48 funcionários do serviço de imigração que não atuam na área.

O governo de Donald Trump mantém uma linha dura contra a imigração irregular e se concentra em barrar a entrada ilegal de estrangeiros no país.