Serviços devem crescer 17% em São Paulo no segundo semestre, diz FecomercioSP

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 20.08.2021 - Clientes almoçam no restaurante Figueira Rubaiyat, no Jardim Paulista, em São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 20.08.2021 - Clientes almoçam no restaurante Figueira Rubaiyat, no Jardim Paulista, em São Paulo. (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após crescer mais de 20% nos primeiros seis meses do ano, o faturamento do setor de serviços de São Paulo deve avançar quase 17% no segundo semestre em relação ao mesmo período de 2020, segundo a Fecomercio-SP.

Thiago Freitas, assessor econômico da entidade, diz que a projeção é positiva, mas algumas variáveis podem atrapalhar o resultado, como inflação, crise energética e cenário político conturbado, que faz o dólar oscilar.

"A pandemia é o menor fator, porque há um ritmo bom de vacinação e um fluxo maior de pessoas na rua, o que é muito bom para o setor de serviços", diz Freitas.

Segundo o levantamento da FecomercioSP, o setor faturou R$ 252 bilhões no primeiro semestre de 2021, quase R$ 44 bilhões a mais do que no mesmo semestre do ano passado.

A maior parte das atividades registrou recuperação no período, mas as atividades de turismo, hospedagem e eventos ainda patinam na retomada, com queda de quase 40% nos primeiros seis meses em relação a igual semestre de 2020.

Em São Paulo, o turismo depende muito de eventos culturais e corporativos, que ainda não retornaram com força.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos