Médicos cubanos estão em 62 países e são maior fonte de divisas

(Arquivo) Médicos cubanos em Brasília, em 22 de outubro de 2013

Médicos cubanos trabalhavam em 62 países no fim de 2016, em 35 dos quais o governo cobrou por seus serviços, segundo estatísticas oficiais publicadas nesta segunda-feira.

A venda de serviços profissionais, fundamentalmente médicos, é a principal fonte de divisas para a ilha, acima do turismo.

Em um artigo recente publicado pelo site oficial Cubadebate, o ex-ministro da Economia José Luis Rodríguez calculou que esta atividade forneceu "um (valor) estimado de 11,543 bilhões de dólares na média anual entre 2011 e 2015".

O Anuário Estatístico de Saúde 2016 revela que os profissionais cubanos estão em 24 países da América Latina e do Caribe; 27 da África subsahariana; dois do Oriente Médio e da África setentrional; sete da Ásia Oriental e do Pacífico, além de Rússia e Portugal.

A edição digital do Anuário, publicada pelo site especializado Infomed (www.sld.cu), não registra a quantidade de profissionais que intervêm nessas missões, mas segundo o Ministério da Saúde, em meados de 2015 eram mais de 50.000, a metade deles médicos.

Além de Venezuela e Brasil, os mercados mais importantes, os médicos cubanos estão em países como Catar, Kuwait, China, Argélia, Arábia Saudita e África do Sul.

Ainda com a aguda crise na Venezuela, o maior sócio comercial de Cuba, a venda de serviços médicos supera as receitas da florescente indústria turística, que se situaram em 2,8 bilhões de dólares em 2016.

A ilha também oferece serviços gratuitos mediante o chamado Programa Integral de Saúde, destinado a 27 países com menos recursos como Haiti, Bolívia, El Salvador, Guatemala, Nicarágua, Honduras, Etiópia, Congo, Tanzânia, Zimbábue, entre outros.

Segundo o Anuário, Cuba encerrou 2016 com 90.161 médicos, incluindo os que trabalham no exterior.

O Estado cubano financia por completo o sistema de saúde, uma de suas conquistas mais divulgadas, junto com a educação universal gratuita.

Um total de 493.368 pessoas trabalham no sistema, incluindo 16.852 odontólogos, 89.072 enfermeiros e 63.471 técnicos.

A ilha mantém também a formação de médicos para outras nações, na Escola Latino-americana de Medicina (ELAM), onde 2.326 estudantes cursam atualmente os seis anos da carreira, aponta o Anuário.