Servidor disse que avisou Bolsonaro que três superiores haviam o pressionado

·1 minuto de leitura
BRASILIA, DF,  BRASIL,  25-06-2021 - O servidor do ministério da saúde Luis Ricardo Miranda chega para depor na CPI da COVID. O servidor é irmão do deputado federal Luis Miranda, ambos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASILIA, DF, BRASIL, 25-06-2021 - O servidor do ministério da saúde Luis Ricardo Miranda chega para depor na CPI da COVID. O servidor é irmão do deputado federal Luis Miranda, ambos denunciaram um esquema de corrupção na compra de vacinas Covaxin e serão ouvidos pelos senadores da CPI. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O servidor Luis Ricardo disse que relatou ao presidente Jair Bolsonaro que três superiores do Ministério da Saúde haviam o pressionado para agilizar os trâmites de importação da vacina.

Ele citou os nomes de Roberto Ferreira Dias, diretor de Logística do Ministério da Saúde; tenente-coronel Alex Lial Marinho, ex-coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos para Saúde e coronel Marcelo Bento Pires, ex-diretor de Programa do Ministério da Saúde.

Ele disse que o presidente se comprometeu em apresentar à Polícia Federal os fatos para serem investigados. A conversa ocorreu no dia 20 de março, com ele estava o irmão, o deputado Luís Miranda (DEM-DF).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos