Servidor do Senado é preso após tirar foto por baixo de vestido de mulher no DF; VÍDEO

·3 minuto de leitura
  • Um homem de 59 anos, identificado como servidor aposentado do Senado Federal, foi preso em flagrante dentro de um supermercado no Distrito Federal por importunação sexual

  • Imagens do circuito interno de segurança do estabelecimento mostram a ação, que ocorreu no último sábado (29)

  • Em 2017, ele também tirou fotos das partes íntimas de uma mulher enquanto ela se abaixou para pegar um produto em uma prateleira no mercado

Um homem de 59 anos, identificado como servidor aposentado do Senado Federal, foi preso em flagrante dentro de um supermercado no Distrito Federal sob suspeita de importunação sexual. Imagens do circuito interno de segurança do estabelecimento mostram a ação, que ocorreu no último sábado (29).

Nas imagens, é possível ver o homem e a vítima em um corredor do estabelecimento. A vítima, de costas para o criminoso, escolhe produtos na prateleira. O servidor aposentado, então, se agacha, estica um dos braços e coloca o celular por baixo da saia da mulher.

Leia também

A ação dura menos de 10 segundos. Após colocar o celular por baixo da saia da vítima, o servidor público disfarça mexendo no lixo e segurando um produto do supermercado.

De acordo com o G1, o servidor, que não teve identidade revelada, atuava no cargo de Técnico Legislativo, com especialidade em edificações. 

A importunação contra a mulher foi flagrada por uma funcionária do supermercado, que informou a vítima e avisou aos seguranças do estabelecimento. A equipe abordou o homem e pediu que mostrasse as gravações do celular, mas ele se recusou.

Por isso, os funcionários checaram as câmeras do estabelecimento e confirmaram a cena. A Polícia Militar foi chamada e realizou a prisão em flagrante.

O servidor aposentado, então, se agacha, estica um dos braços e coloca o celular por baixo da saia da mulher (Foto: Reprodução)
O servidor aposentado, então, se agacha, estica um dos braços e coloca o celular por baixo da saia da mulher (Foto: Reprodução)

Vítima percebeu que era seguida pelo servidor

Em depoimento à Polícia Civil, a vítima disse estava no supermercado acompanhada da filha e percebeu que tinha um homem a seguindo. 

Segundo o G1, a mulher contou que no momento que foi pegar o produto na prateleira "esbarrou" no homem, mas não percebeu o que tinha acontecido até ser avisada pela funcionária.

A lei prevê pena de um a 5 anos de reclusão para quem comete importunação sexual. O crime é inafiançável.

Servidor cometeu mesmo crime em 2017

Não é a primeira vez que o servidor público é denunciado por tirar fotos de partes íntimas de uma mulher. Em 2017, ele também tirou fotos das partes íntimas de uma mulher enquanto ela se abaixou para pegar um produto em uma prateleira no mercado

Na ocasião, o marido da vítima testemunhou o abuso e agrediu o homem. Ele conseguiu pegar o celular, mas o criminoso acabou fugindo.

À época, o casal fez uma ocorrência na Polícia Civil e também apresentou as imagens das câmeras de segurança. O caso ficou registrado como lesão corporal.

Importunação sexual é crime

Isso porque entrou em vigor a lei tipificou crimes de importunação sexual apenas em 2018. Com a medida, denúncias de homens que se masturbam ou ejaculam em mulheres no transporte público, por exemplo, antes da lei eram consideradas "contravenção". 

Ou seja, bastava o agressor pagar a multa, que era liberado. Agora, a pena prevista é de um a cinco anos de prisão.

O texto também aumentou as penas nos casos de estupro coletivo, quando cometido por duas ou mais pessoas. Divulgação de imagens de estupro, cenas de nudez, sexo ou pornografia, sem o consentimento da vítima, também são passível de detenção.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos