Servidor do Tribunal de Justiça do Rio é investigado por esquema de investimento que tem juízes entre as vítimas

·4 min de leitura

Na onda das pirâmides financeiras que vêm causando prejuízos a investidores no Rio, inclusive com o uso de criptomoedas, nem o Judiciário escapou. Depois da prisão do “Faraó dos bitcoins”, em Cabo Frio, na Região dos Lagos, surge um novo personagem que jogou todas as suas fichas num esquema de apostas que envolveu servidores de comarcas do Sul Fluminense. Após duas investigações, o advogado Felipe Tobler Lemgruber foi demitido em 25 de agosto pela corregedoria-geral do Tribunal de Justiça “a bem do serviço público” e foi denunciado por estelionato pelo Ministério Público no último dia 4.

Como “trader esportivo” — uma espécie de consultor de apostas, função que começou a praticar com amigos há quatro anos —, Lemgruber criou uma carteira de clientes que incluía juízes, servidores do Judiciário e moradores de Barra do Piraí e Volta Redonda. Apesar de ser bem relacionado na região, tudo que se ouve dele por lá é o silêncio, quando se pergunta sobre o advogado.

A sindicância da corregedoria da Justiça diz que a ação de Lemgruber, que era servidor do Judiciário, sugere a prática de pirâmide financeira. O prejuízo causado por ele é estimado em R$ 30 milhões. Entre magistrados e serventuários, a perda foi de R$ 3 milhões. Um deles chegou a deixar de receber R$ 490 mil, de acordo com investigação interna. Como corre em segredo de Justiça, os nomes das vítimas não serão citados. Seus depoimentos, no entanto, foram anexados às investigações, que agora estão nas mãos de uma juíza, para a sentença.

Lemgruber, de 35 anos, foi por 15 anos analista judicial e secretário de magistrados. Recebia R$ 12,5 mil por mês. Acabou se tornando especialista em trading de tênis — um jogo de apostas permitido por lei, que ainda carece de regulamentação. O operador funciona como um agente financeiro que precisa conhecer o esporte, como explica o próprio acusado:

— A aposta no ramo esportivo está tomando o lugar da Bolsa de Valores. Para mim, é o futuro da nossa economia. Fazemos apostas com base em cálculos, não nas incertezas do país. Optei pelo tênis, porque pratico o esporte e porque o cálculo é mais exato, porque permite leitura corporal mais precisa, o que garante mais exatidão.

O negócio, no entanto, começou a dar prejuízos ou a não entregar o lucro esperado pela clientela, que entregava nas mãos dele vultosas quantias. De acordo com depoimentos de parte dos 17 apostadores lesados pelo trader apenas no Tribunal de Justiça do Rio, ele usava sua influência entre os juízes para atrair mais clientes. Uma das depoentes contou que, em informação confirmada ao GLOBO por Lemgruber, o lucro do dinheiro apostado chegou a ser entregue em espécie no gabinete de servidores e juízes, durante o expediente forense. A primeira denúncia contra ele foi feita em 20 de abril deste ano.

O caso corre em segredo de Justiça, mas o acusado deu entrevista ao GLOBO.

— Perdi o controle. O bolo (de clientes) começou a crescer demais. Os ganhos caíram. Errei muito. E reconheço que eu tinha dependência no jogo. Isso deixa a gente cego.

A "cegueira" do ex-servidor se deu quando a plataforma que regula as apostas limitou o valor do resgate que ele poderia fazer em caso de ganho. Os sites de apostas, segundo a lei vigente, só podem ser hospedados no exterior. O sistema aqui funcionava assim: Lemgruber recebia o depósito do cliente em sua conta e fazia as apostas em partidas de tênis. O valor variava de acordo com o perfil do apostador.

O acusado disse que, até o ano passado, o negócio prosperou e conta ter visto muitos clientes "trocarem de carro" e "médicos pararem de dar plantão". Agora, à espera da sentença, sustenta que não ganhou nada com as apostas. Aceitou falar com O GLOBO, mas não permitiu ser fotografado. Também disse que enviaria documentos ao jornal detalhando a participação de quem se apresenta como vítima do esquema, o que não aconteceu.

O que se descobriu nas investigações do Tribunal de Justiça e do MP, a partir de queixas de lesados, é que o castelo de cartas começou a ruir no fim de 2020. Em uma mensagem de WhatsApp, do dia 9 de outubro do ano passado, Lemgruber avisa a seu grupo de apostadores que deixará os negócios. Em uma das respostas, um investidor, desesperado, reage incrédulo: "Felipe, tá falando sério? Faz isso não. O que houve? Não me abandona, não. Você sabe que confio 100% em você. Nunca questionei nada".

O ex-servidor sustenta que, a despeito de estar sendo cobrado para entregar lucros aos apostadores, fez o correto: devolveu o valor investido.

— Não vou pagar os lucros. Não tenho como. Tive que sair da cidade, porque comecei a receber ameaças — disse ele ao GLOBO.

Na conclusão da sindicância, que se transformou no processo administrativo e, em seguida, na demissão do então servidor, a corregedoria afirma que Lemgruber "se valeu da amizade de algumas vítimas, da condição de servidor público do TJ e do cargo de secretário de juiz para a captação de recursos financeiros". Ele dizia que usava o dinheiro para apostar em sites internacionais de trading esportivo. Em troca, prometia alta rentabilidade, mas acabou causando "extenso prejuízo financeiro a vítimas, praticando grave infração administrativa, em nítido comprometimento da dignidade da função pública".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos