Servidora que redigiu requerimentos para senadores governistas na CPI da Covid ganha cargo no Ministério da Cidadania

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA — Uma das figuras mais importantes para os governistas na CPI da Covid, Thaís Amaral Moura ganhou um novo cargo no governo. Considerada uma pessoa de confiança do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), ela assumiu a função de diretora do Departamento de Inclusão Produtiva Urbana da Secretaria Nacional de Inclusão Social, no Ministério da Cidadania.

A advogada, que trabalhava como assessora no Palácio do Planalto, foi a responsável por redigir requerimentos apresentados, no início dos trabalhos da comissão, por governistas, como Ciro Nogueira (que era senador PP-PI e hoje é ministro da Casa Civil) e Jorginho Mello (PL-SC).

Por essa atuação, a advogada entrou para a lista de possíveis convocados pela CPI e teve a quebra seu sigilo fiscal pedido por opositores.

Desde o início do ano, Thaís trabalhava como assessora de “assuntos parlamentares” na Secretaria de Governo, pasta que cuida da articulação política junto ao Congresso. Na última segunda-feira, ela assumiu formalmente a nova função, conforme publicado no Diário Oficial da União (DOU).

Na matéria completa, exclusiva para assinantes, veja a remuneração de Thaís em um cargo denominado DAS 5, o segundo mais alto para os postos comissionados, e entenda a relação da servidora com Flávio Bolsonaro, filho do presidente.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos