Servidores do Inep denunciam interferências políticas no Inep e censura a questões do Enem

·1 min de leitura

SÃO PAULO — Servidores públicos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) - que produz e coordena o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), entre outras atribuições - afirmam que o órgão sofre reiteradas interferências políticas, e que não são raros os casos de censura ao conteúdo das provas do Enem.

Em entrevista ao "Fantástico", parte dos 37 funcionários que entregaram seus cargos esta semana relatam ainda situações de intimidação e acuasam o presidente do Inep, Danilo Dupas, de despreparo.

As denúncias vêm à tona poucos dias antes do exame, que começa neste domingo (21).

— Grande erro é achar que você pode simplesmente pegar uma prova e sair riscando itens que você não gosta do conteúdo deles — diz um servidor, que contou ao "Fantástico" existir uma pressão "insuportável", principalmente sobre questões que envolvem contextos sociopolítico e socioeconômico do Brasil.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos