Sete escolas estaduais de SP têm casos de Covid-19 e não abrem para alunos

CLAYTON FREITAS
·2 minuto de leitura
SÃO PAULO, SP, 04.02.2021 - EDUCAÇÃO-SP - Primeiro dia de volta às aula presenciais na rede pública estadual de ensino da capital paulista, nesta segunda-feira (8). Escola Estadual Raul Antônio Fragoso, em Pirituba.  (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
SÃO PAULO, SP, 04.02.2021 - EDUCAÇÃO-SP - Primeiro dia de volta às aula presenciais na rede pública estadual de ensino da capital paulista, nesta segunda-feira (8). Escola Estadual Raul Antônio Fragoso, em Pirituba. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo de São Paulo confirmou nesta segunda-feira (8) que sete escolas da rede pública estadual apresentaram casos positivos ou suspeitos de Covid-19 e não puderam abrir as suas portas. Duas unidades ficam na capital: uma na zona norte e outra na zona leste. As demais no interior do estado.

A volta às aulas presenciais nas escolas da rede pública estadual acontece em todo o estado nesta segunda-feira (8).

Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (8), o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, afirmou que todos os casos estão sendo monitorados e os professores e funcionários envolvidos passaram por testes. Essas unidades só poderão reabrir após o resultado dos exames.

Em uma outra unidade, localizada na Vila Cruzeiro, na zona sul da capital, a filha de uma funcionária terceirizada do estabelecimento de ensino apresentou positivo para Covid-19. Porém, a unidade continua aberta.

A volta às aulas presencial na rede estadual de ensino ocorreu nesta segunda-feira em 516 cidades paulistas, o equivalente a 80% dos 645 municípios do Estado. Segundo Rossieli, algumas administrações municipais não estão totalmente preparados para receber os professores.

Em relação à greve dos professores deflagrada na última sexta-feira, Rossieli afirmou que a adesão é próxima de zero e que o ponto dos faltosos será cortado a partir de hoje.

O governo estadual criou um comitê para acompanhar a volta às aulas, de olho em possíveis casos de Covid-19. O grupo tem caráter consultivo e reúne pediatras, infectologistas e epidemiologistas.

Segundo o governo estadual, eles irão monitorar e orientar as ações de prevenção, vigilância e controle da Covid-19 nas unidades escolares do estado e também das escolas municipais e particulares.

Segundo a Secretaria Estadual da Educação, em casos positivos de infectados pelo novo coronavírus na escola, a orientação é a de afastar todos que tiveram contato com a pessoa testada positivo e submetê-los a teste. Enquanto aguardarem o resultado, os profissionais da educação ficarão em teletrabalho.