Sete jogadores que já brilharam e hoje estão desempregados

Denilson, ex-São Paulo e Arsenal, está sem clube (Fernando Dantas/Gazeta Press)

No impressionante número de 13,4 milhões de brasileiros desempregados, também estão alguns jogadores de futebol famosos. O Blog levantou histórias de sete atletas que já foram famosos e bem-sucedidos graças à bola, mas que hoje não têm conseguido se reempregar. Confira:

DENILSON:

Revelado no São Paulo, o volante Denilson, hoje com 31 anos de idade, foi dispensado no fim do Campeonato Paulista pelo Botafogo-SP e está à procura de oportunidades. Nem a experiência de quem jogou no Arsenal de 2006 a 2011 tem ajudado. Detalhe: Denilson, que também passou por Cruzeiro e Al Wahda, já havia ficado quase dois anos parado, antes de assinar com o Botinha.

Leia também:


FABRÍCIO:

Livre desde 16 de maio, quando rescindiu com o Vitória, o lateral-esquerdo Fabrício tem tido cada vez mais dificuldade em se empregar. Por causa da queda no seu futebol e principalmente devido ao comportamento - foi ele quem fez gestões obscenos para a torcida do Inter enquanto defendia o Colorado. Hoje com 32 anos, Fabrício passou por Portuguesa, Inter, Cruzeiro, Palmeiras, Athletico Paranaense, Vasco...

ARANHA:

Desempregado desde o começo do ano, o goleiro Aranha é a prova viva de como uma escolha ruim pode ser determinante para detonar a carreira. É que ele estava se tornando ídolo no Santos depois das conquistas de Libertadores, Recopa e Paulistão. Mas, por causa de salários atrasados, Aranha entrou na Justiça e trocou o Peixe pelo Palmeiras, onde só jogou uma vez. Depois, foram mais cinco partidas no Joinville, duas temporadas na Ponte e a campanha do acesso à Série A, no ano passado, no Avaí.

ZÉ LOVE:

Revelado no Palmeiras e campeão da Libertadores pelo Santos, o atacante Zé Love está livre desde 1º de junho. Apesar da boa temporada no Pahang, da Malásia - ele tinha sete gols em 14 jogos em 2019, o centroavante, de 31 anos, decidiu que precisava rescindir o contrato em busca de chances em um clube brasileiro. Porém, até agora, nada. Zé Love ficou conhecido mundialmente depois de se recusar a fazer um teste no Milan, o que inviabilizou sua contratação.

LUÍS FABIANO:

Camisa 9 da seleção brasileira em Copa do Mundo, o centroavante Luís Fabiano vive, de longe, o pior momento de sua carreira. Ele não joga desde o fim de 2017, por causa de problemas no joelho. No início de 2018, optou por romper o contrato com o Vasco a fim de se tratar. Passou pelos DMs de São Paulo e Ponte Preta, mas não conseguiu entrar em campo. Agora, aos 38 anos, teve seu nome ligado ao Teresópolis, da terceira divisão do Campeonato Carioca.

LUCÃO:

Revelado no São Paulo, o zagueiro Lucão, de 23 anos, passou por todas as categorias de base da seleção brasileira, várias vezes como capitão. Em 2014, em alta, renovou o contrato por cinco anos com direito a salário que chegava a R$ 100 mil mensais. Mas uma série de falhas, incluindo num clássico com o Corinthians, queimaram seu filme no Morumbi. Ainda esteve emprestado ao Estoril, de Portugal, mas problemas na cartilagem do joelho o impediram de jogar muito. Em 2019, quase foi parar no Corinthians. Seu contrato com o Tricolor acabou em 4 de junho e ele está livre 11 anos após pisar pela primeira vez no Morumbi.

CARLOS EDUARDO:

Livre desde 1º de junho, o meia Carlos Eduardo, hoje com 32 anos de idade, surgiu como uma das grandes promessas do país. Ele jogava no Grêmio e foi comprado pelo Hoffenhaim, da Alemanha. Ainda passou pelo Rubin Kazan antes de voltar ao Brasil para defender Flamengo, Atlético-MG, Vitória, Paraná e Coritiba... Mas Carlos Eduardo tem torrado seu filme: no Coxa, ele só jogou cinco vezes, totalizando 148 minutos. Cada minuto seu em campo custou ao Coritiba cerca de R$ 4 mil. Por isso, não teve o contrato renovado e está livre.

Siga o Yahoo Esportes: Twitter | Instagram | Facebook | Spotify | iTunes |