Sete livros escritos por mulheres para entender o corpo e o desejo sexual femininos

O Globo
·3 minuto de leitura

Em entrevista ao Globo, a filósofa e terapeuta tântrica Carol Teixeira afirmou que as mulheres foram criadas para serem “um corpo para o outro, uma sexualidade para o outro” e aprenderam que “a mulher deve servir”. Nas palavras de Carol, “é preciso uma reforma sexual urgente.”

Para que essa mais que necessária reforma tome curso é fundamental que as mulheres se eduquem e conheçam seus corpos e desejos. As livrarias estão repletas de títulos sobre a sexualidade feminina, muitos, infelizmente, com um viés machista que prega orgasmos rápidos e centraliza a relação sexual na penetração, o exclui mulheres lésbicas.

Como a maioria das mulheres heterossexuais sabe, a penetração não é sinônimo de orgasmo. Uma vida sexual saudável passa longe da adoração do falo e está totalmente relacionada ao conhecimento do próprio corpo e do próprio prazer.

Listamos abaixo dez livros, todos escritos por mulheres, que investigam a sexualidade feminina: vagina, clitóris, orgasmo… estão todos aqui:

Vagina, uma biografia (Geração Editorial)

A jornalista americana Naomi Wolf, autora do clássico feminista “O mito da beleza”, parte de uma experiência pessoal para entender como funciona o desejo sexual feminino. Para isso, ela consulta médicos, intelectuais e também pesquisa culturas ancestrais. Wolf defende que cérebro e vagina estão interligados e, por isso, a vagina tem conexão com a consciência feminina.

Viva a vagina: tudo o que você sempre quis saber (Ed. Paralela)

O livro das educadoras sexuais dinamarquesas Nina Brochmann e Ellen Dahl é um guia que trata de anatomia feminina, o aparelho reprodutor das mulheres, prazer e sexualidade. Sabe a diferença entre vulva e vagina? Elas explicam. O que os hormônios fazem com o corpo das mulheres? Está no livro. O funcionamento dos diferentes tipos de contraceptivos, o orgasmo feminino, mitos sobre o corpo… tudo isso está lá.

Os monólogos da vagina (Globo Livros)

Peça de sucesso na Broadway, depois transformada em livro, o texto da americana Eve Ensler já tem mais de 20 anos. Marcou uma geração por sua abordagem livre e bem-humorada da vagina ou, como Ensler a chama, “aquela-que-não-deve-ser-nomeada”. Com humor inteligente, ela derruba mitos e convoca as mulheres para libertarem seus desejos.

A verdade sobre o clitóris: o mundo secreto ao alcance da sua mão (Ed. Imago)

Está bem que depois da invenção do Satisfayer, o clitóris tem sido muitíssimo bem acionado. Mas, é fato, que ainda precisamos falar muito sobre ele. De forma didática, a ativista e escritora americana Rebecca Chalker escreve para mulheres heterossexuais e lésbicas e também para os homens. Dá informações fisiológicas, fala de masturbação, brinquedos eróticos, orgasmos e da complexidade intensa do sexo. Sabia que o recorde de orgasmos múltiplos é de 136? Pois é,veja do que o clitóris é capaz.

Esse tal de orgasmo: uma jovem mulher em busca do prazer (Ed. L&PM)

A americana Mara Altman narra sua experiência de um ano em busca do primeiro orgasmo — isso depois de dez anos de relações sexuais sem clímax. Ela entrevistou psicólogos, gurus espirituais, fez oficinas de tantra, foi a acampamentos de masturbação coletiva e a clubes de sadomasoquismo para contar, com bom-humor e leveza, o resultado de sua investigação.

História:Como a repressão à sexualidade feminina transformou a masturbação em tabu

A cama na varanda: arejando nossas ideias a respeito de amor e sexo (Ed. Best Seller)

Ao longo dos anos, a psicanalista Regina Navarro Lins tem se dedicado a pesquisar e a escrever sobre novas formas de viver o amor e a sexualidade. Nesse livro, ela reflete sobre as relações fluidas e sobre como instituições tradicionais da cultura, como o amor romântico e a relação monogâmica, têm se transformado para que indivíduos possam experimentar seus relacionamentos com mais liberdade e satisfação pessoal.

Sexo (Ed. Record)

Em uma obra de ficção, a antropóloga Mirian Goldenberg narra a história de uma mulher rejeitada em uma noite de sexo casual. A partir daí, ela trilha sentimentos comuns a tantas mulheres até se libertar da angústia que a consome. Goldenberg usa no livro todo o acervo adquirido em décadas de pesquisas sobre gênero, sexualidade e corpo.