Setor público do Brasil tem superávit de R$20,4 bi em julho e endividamento recua

Prédio do Banco Central, em Brasília

Por Bernardo Caram

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro registrou um superávit primário de 20,440 bilhões de reais em julho, informou o Banco Central nesta quarta-feira, o que levou a mais um recuo no endividamento do país.

A dívida bruta do país ficou em 77,6% do Produto Interno Bruto (PIB), ante 78,0% no mês anterior --em julho de 2021 estava em 82,7%. O patamar é o mais baixo desde março de 2020 (77,0%), quando foi decretada a pandemia de Covid-19 e o governo iniciou uma série de gastos emergenciais de enfrentamento à crise sanitária.

A dívida líquida, por sua vez, foi a 57,3% do PIB, contra 57,8% em junho --estava em 59,5% em julho de 2021.

O resultado primário do setor público acumulado em 12 meses alcançou um superávit de 230,554 bilhões de reais em julho, o que corresponde a 2,48% do Produto Interno Bruto (PIB). No mês anterior, o saldo acumulado estava em 2,17% do PIB.

Os dados englobam as contas de governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e INSS), Estados, municípios e empresas estatais e não inclui as despesas com juros.

O número de julho foi influenciado pelos resultados positivos dos governos federal e regionais, enquanto o dado ficou no vermelho para as estatais.

O governo central apresentou um saldo positivo de 19,961 bilhões de reais no mês, enquanto Estados e municípios tiveram superávit de 1,760 bilhão de reais. As estatais foram deficitárias em 1,280 bilhão de reais.

O BC também apresentou nesta quarta-feira os dados relativos a junho. A divulgação era originalmente prevista para o fim de julho, mas houve atraso por conta da greve de servidores do órgão, encerrada há quase dois meses.

Em junho, o setor público consolidado teve superávit primário de 14,395 bilhões de reais.