Setor de serviços avança 1,2% em maio e volta a superar nível pré-pandemia

·1 minuto de leitura

RIO - O setor de serviços avançou 1,2% em maio, na comparação com abril, segundo dados divulgados nesta terça-feira pelo IBGE. O resultado é reflexo do afrouxamento das medidas de restrição, movimento iniciado em abril e que tem possibilitado a retomada mais consistente dos serviços de caráter presencial.

Analistas ouvidos pela Reuters projetavam alta de 1,3% no mês e 22,3% no ano.

Considerado motor do PIB brasileiro, o setor de serviços despencou ano passado com a chegada da pandemia ao país. Gradualmente, o setor foi se recuperando, mas entre dezembro e fevereiro foi perdendo fôlego.

Em março, a atividade chegou a recuar 4% e interrompeu nove meses seguidos de taxas positivas. Naquele período, o setor precisou enfrentar novas medidas de restrição ao funcionamento de estabelecimentos para conter o avanço da Covid-19.

Melhora do setor

Economistas avaliam que a retirada das medidas restritivas à mobilidade, somado ao avanço da vacinação contra a Covid-19, tendem a levar o setor de serviços para uma trajetória de recuperação.

Índice de Confiança de Serviços, (ICS) medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 5,7 pontos na passagem de maio para junho, chegando a 93,8 pontos. Foi o maior patamar registrado pela pesquisa desde o início da pandemia, em fevereiro do ano passado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos