Setor de serviços avança 1,8% em setembro, mas não recupera perdas causadas pela pandemia

Carolina Nalin*
·1 minuto de leitura
Antonio Scorza / Agência O Globo
Antonio Scorza / Agência O Globo

RIO — Considerado o motor do PIB brasileiro, o setor de serviços esboça lenta recuperação após as perdas provocadas pela pandemia. Dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira apontam que o segmento cresceu 1,8% na comparação com agosto. É o quarto mês seguido de alta. Mesmo assim, o ganho nesses quatro meses é insuficiente para compensar as perdas acumuladas entre fevereiro e maio.

Apesar da alta, o setor apresenta mais dificuldade do que outros segmentos da economia para se recuperar. Nos últimos meses, enquanto indústria e comércio já registravam resultados melhores, os serviços ainda apresentavam uma retomada tímida, mesmo com a flexibilização dos protocolos de distanciamento social em todo o país.

O segmento ainda está 8% abaixo do nível pré-pandemia. E, se comparado ao mesmo período do ano passado, a queda registrada é de 7,2%, sétima taxa negativa seguida nessa comparação. No acumulado do ano, o setor caiu 8,8% frente ao mesmo período do ano passado.

Em setembro, quatro das cinco atividades pesquisadas cresceram. O destaque ficou por conta do segmento de informação e comunicação, com alta de 2%.