Setor de serviços avança 2,6% em novembro, o sexto mês consecutivo de alta

Raphaela Ribas
·1 minuto de leitura

RIO - Considerado o motor do PIB brasileiro, o setor de serviços surpreendeu e avançou 2,6% em novembro, na comparação com outubro. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira pelo IBGE. Esta é a sexta alta consecutiva.

Apesar do ganho acumulado de 19,2% nesse período, o resultado ainda é insuficiente para compensar as perdas entre os meses de fevereiro e maio do setor, que ainda se encontra 3,2% abaixo do patamar de fevereiro.

O índice veio bem acima das expectativas de analistas ouvidos pela Reuters, que previam alta de 1,2% para o penúltimo mês do ano.

Muito dependente do contato físico, a exemplo dos salões de beleza, e de grandes movimentações, como nos bares e restaurantes, o setor vinha se recuperando lenta e gradualmente nos últimos meses. Com o repique dos casos de Covid-19 a partir de novembro, vários empresários já vêm relatando queda no fatutamento.

Diante deste cenário, o setor acumula queda de 8,3% no ano e recuo de 7,4% em 12 meses.

Analistas acreditam que o segmento também vai crescer menos em dezembro, quando a segunda onda de Coivd-19 ganhou força. A expectativa é que o setor só volte ao patamar pré-pandemia após a vacinação em larga escala. Já a indústria avançou 1,2% em novembro, na sua sétima alta seguida.