O que acontece com seu corpo e seu cérebro quando você vira vegetariano ou vegano

Beth Krietsch
·2 minuto de leitura

Dietas vegetarianas e veganas não são novidade, mas cada vez mais as pessoas diminuem o consumo de carne – ou pelo menos pensam no assunto.

Muitos estão abandonando a carne por razões éticas, ambientais ou de saúde. Dietas sem carne são associadas a aumento da ingestão de nutrientes e menor risco de algumas doenças crônicas. E a produção de carne ― principalmente a carne bovina ― não faz nada bem para a saúde do planeta. As emissões de gases de efeito estufa causadas pela pecuária são consideráveis.

Um relatório do ano passado do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas recomendou redução no consumo de carne como parte da estratégia para evitar as mudanças no clima.

Mas como a dieta sem carne afeta seu corpo? Conversamos com alguns especialistas para entender o que acontece quando você adota uma alimentação baseada apenas em vegetais – assim você pode decidir se esse é o caminho certo para você.

Antes de começar, uma observação importante: quando falamos em dieta vegetariana, estamos nos referindo a uma dieta sem nenhum tipo de carne ou peixe. Mas o vegetarianismo tem muitas variações ― algumas pessoas ainda comem laticínios e ovos (ovo-lacto-vegetarianos), algumas permitem ovos, mas não laticínios (ovo-vegetarianos), e algumas permitem peixes e às vezes laticínios e ovos (pescetarianos). As dietas veganas não incluem nenhum desses itens.

Eis o que você pode esperar quando se decidir fazer a mudança para uma dieta baseada em vegetais:

O funcionamento do seu intestino vai mudar.

Comer mais alimentos à base de plantas, como legumes, feijão e grãos integrais, aumenta a ingestão de fibras. Isso ajuda a prevenir a constipação, melhora a função intestinal e provavelmente resultará em hábitos intestinais mais regulares.

“A regularidade intestinal é importante para a saúde e o bem-estar geral”, afirma Colleen Chiariello, nutricionista clínica chefe do Syosset Hospital, da...

Continue a ler no HuffPost