Seul não acredita em cirurgia de líder norte-coreano

Kim Jong Un, antes de una reunión con el presidente de EEUU, Donald Trump, en la zona desmilitarizada O líder norte-coreano, Kim Jong-un, em junho de 2019

As autoridades sul-coreanas não acreditam que o presidente norte-coreano, Kim Jong-un, tenha sido submetido a uma cirurgia - disse uma fonte do governo da Coreia do Sul neste domingo (3), um dia depois do reaparecimento do líder norte-coreano.

"Não acreditamos que o presidente Kim tenha sido operado", disse uma autoridade presidencial sul-coreana, cujo nome não foi citado, conforme a agência de notícias sul-coreana Yonhap.

"A imprensa especulou sobre uma intervenção [cirúrgica] de Kim, falando de uma mudança na maneira de andar", lembrou o responsável, mas, segundo ele, Seul tem informações suficientes para concluir que esse não é o caso.

Perguntas sobre o estado de saúde de Kim começaram a surgir como resultado de sua ausência nas comemorações de 15 de abril. Este é o dia mais importante do calendário político da Coreia do Norte, quando se comemora o nascimento de seu avô e fundador do regime, Kim Il-sung.

As quase três semanas de ausência pública abriram espaço para todo o tipo de especulação sobre o estado de saúde de Kim.

Coreia do Sul e Estados Unidos declararam repetidas vezes que não tinham informações a esse respeito.

Na sexta-feira, 1º de maio, a televisão pública norte-coreana mostrou Kim andando, sorrindo e fumando um cigarro, na abertura de uma fábrica em Sunchon, norte de Pyongyang.

Ontem, o presidente americano, Donald Trump, disse ter ficado "contente" com o reaparecimento em público do líder norte-coreano, assim como com sua saúde.

"Fico contente por ver que ele está de volta e em boa forma!", tuitou.

Não é a primeira vez que Kim desaparece da vida pública.

Em 2014, ele sumiu por seis semanas até reaparecer, andando com uma bengala. Alguns dias depois, os serviços de Inteligência sul-coreanos explicaram que ele havia sido operado por um cisto no tornozelo.