E se a política de abstinência sexual fosse aplicada em 'Sex Education'...

Rafael Argemon
·2 minuto de leitura

ATENÇÃO: Se você ainda não viu a segunda temporada de Sex Education e não quer estragar nenhuma surpresa da trama, não leia este texto agora. Volte apenas depois de assistir a série completa.

Brasil, ano 2020: Para evitar um surto de doenças venéreas, gravidez precoce e a proliferação descontrolada da população, o governo instaura uma politica de abstinência sexual. Ou seja, os jovens não transam mais.

Essa poderia ser a sinopse de um livro, um filme ou até uma série de um futuro distópico, mas é algo que pode se tornar realidade muito em breve — pelo menos é o atual objetivo da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

Diante desse quadro, tentamos imaginar um tipo de “Damaresverso”, onde essa política anti-sexo se aplicaria em Sex Education. A série da Netflix vem desde 2019 chamando a atenção do público por seu enfoque sem tabus e cheio de humor sobre a iniciação sexual de adolescentes em uma pequena cidade do interior da Inglaterra.

O que o fato de só poder transar depois do casamento afetaria os rumos de personagens como, por exemplo Otis, Eric, Adam, Ola ou Lilly na trama da série? Gostaríamos tanto de Sex Education sob a política de abstinência sexual?

Descubra aqui:

Otis continuaria achando que sua técnica de dedada é a coisa mais sensacional do mundo

Meio-dia, três, seis, nove horas... A Técnica do Relógio de Otis é um desastre completo. Ola que o diga. Coitada. O problema é que ele mesmo não se tocou disso, e em um mundo em que o sexo fosse liberado só após o casamento, a esposa de Otis aprenderia um pouco tarde demais que o marido não faz a mínima ideia do que é uma verdadeira dedada.

Ola só descobriria que é bissexual depois de casar

Frustrada com as constantes pisadas na bola de Otis e de sua extrema incompetência no sexo, Ola acaba sacando que quem ela deseja mesmo é a Lily. No “Damaresverso”, ela seria uma esposa frustrada em um casamento infeliz.

A Dra. Milburn...

Continue a ler no HuffPost