Shein, marca chinesa de roupas que é fenômeno na internet, terá loja temporária em São Paulo

A Shein, marca chinesa de roupas que é fenômeno na internet, abre pela primeira vez uma loja física no Brasil. Será no shopping Vila Olímpia, em São Paulo, e no formato temporário. Vai funcionar entre os dias 12 e 16 de novembro, com mais de 11 mil peças disponíveis.

Veja o que vai mudar: Disney testa novo modelo de negócio para impulsionar o streaming

De julho a setembro: Netflix bate recorde de assinantes no terceiro trimestre

Em dezembro, uma outra loja neste formado, também conhecido como pop-up, será aberta em Belo Horizonte. Para o ano que vem, outras quatro estão previstas – e não somente no Sudeste.

As vendas em São Paulo neste mês acontecem no mesmo período do 11.11 ou Double Eleven (duplo onze), uma das principais datas do varejo asiático. Batizado de Dia dos Solteiros na China, o nome não vingou por aqui, mas as promoções, sim. Tanto a data já está se tornando uma espécie de esquenta da Black Friday.

A loja na capital paulista ficará aberta de segunda à sábado das 10h às 21h30 e domingos das 14h às 20h. Mas vale lembrar que em Nova York, em setembro, funcionários tiraram os adesivos com os horários antes do fim do expediente e tiveram de colocar um aviso para as pessoas não tentarem suborno para pegar lugar na fila tamanha a procura.

Digital cresce: NYT ganha 180 mil assinantes digitais no 3º trimestre e revisa lucro anual para cima

Além da cidade americana, outros destinos como Paris, na França, e Sidney, na Austrália, já tiveram suas lojas temporárias. No Brasil, um dos mercados mais relevantes no mundo e o maior da América Latina, fizeram um showroom em março no Rio de Janeiro.

O objetivo, segundo Felipe Feistler, gerente geral da Shein no Brasil, é atender novas demandas e ampliar o escopo de consumidores, além de aproximar os clientes da marca .

— Queremos expandir no país e pretendemos abrir, no mínimo, mais quatro pop-up stores em 2023. Ainda não podemos informar em quais cidades elas serão abertas, mas pretendemos levá-las para outras regiões do Brasil — ressalta Feistler.