Shell lança marca de energia renovável no Brasil e promete investimento de R$ 3 bi

·3 minuto de leitura

RIO - A Shell prentende investir R$ 3 bilhões em projetos de energia renovável até 2025 no Brasil. A estratégia de uma das maiores produtoras de petróleo e gás no mundo é ampliar os projetos de energia solar, eólica em alto-mar e termelétricas movidas a gás natural.

A companhia anunciou na manhã desta terça-feira o lançamento da marca Shell Energy, que vai atuar apenas no desenvolvimento de projetos de energia limpa. Recentemente, a BR Distribuidora anunciou que vai passar a se chamar Vibra de olho também em projetos sustentáveis. Os projetos ocorrem em meio à maior crise hídrica dos últimos 91 anos.

De acordo com a Shell, o Brasil é um dos mercados prioritários no mundo, ao lado dos Estados Unidos, Austrália e Europa Ocidental. Segundo Guilherme Perdigão, diretor de Novas Energias da Shell Brasil e Shell Energy, o foco da companhia é investir em projetos de geração energia elétrica e ampliar a comercialização de eletricidade a partir de fontes renováveis.

-Há um aumento do consumo de energia elétrica no Brasil e perspectiva de avanço de 5% por ano. O Brasil é uma prioridade para a Shell. Dos R$ 3 bilhões de investimentos previstos até 2025, grande parte será em projetos solares e usinas termelétricas movidas a gás - disse Perdigão.

O executivo destacou que a empresa pretende participar do leilão emergencial que será feito em dezembro pelo governo para contratatação de energia através de termelétricas.

Além disso, a Shell pretende inaugurar em janeiro de 2023 a térmica a gás Marlim Azul, em Macaé, no Rio de Janeiro. Segundo Perdigão, a conclusão da obra chegou a 70%. Recentemente, o governo, por conta da crise energética, pediu a antecipação da entrada em operação de uma térmica no Porto do Açu, em São João da Barra, no Rio.

-Hoje (terça-feira) chegou a turbina. Os principais equipamentos já estão lá. Temos mais de 1.200 pessoas trabalhando no local. O empreendimento vai contar com um gasoduto de 22 quilômetros e conexão de linhas de trasmissão. Queremos expandir a geração térmica a gás no Brasil para prover segurança energética - explicou Perdigão.

A companhia também pretende ampliar as operações de GNL (gás liquefeito, em estado líquido) no Brasil, afirmou a gerente de Vendas e Originação de Gás, Carolina Bunting. Já Gabriela Oliveira, gerente de Desenvolvimento de Energias Renováveis da Shell Brasil, destacou os planos para ampliação em projetos solares.

A expectativa é ampliar em 35% a capacidade de geração solar, com base nos projetos que já estão em desenvolvimento. A empresa anunciou recentemente termo de cooperação para criar uma joint-venture com a Gerdau para desenvolver um projeto solar.

Com os projetos, a empresa pretende ampliar a atuação na área de comercialização de energia elétrica. A meta é dobrar o volume até 2030.

Além disso, Gabriela disse que a empresa pretende antecipar no Brasil os projetos de geração de energia eólica em alto-mar. O governo está elaborando um marco regulatório com a criação de regras para permitir o desenvolvimento dos projetos no país.

-Estamos estudando a costa brasileira como um todo para ver o melhor local. Vamos ainda olhar projetos híbridos de geração entre solar e eólica e projetos que utilizam baterias, como já ocorre nos Estados Unidos - disse Gabriela.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos