Signatários do acordo nuclear iraniano estendem as mãos para Biden

·1 minuto de leitura
O presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, durante um discurso, em 26 de novembro de 2020

Os signatários do acordo nuclear iraniano declararam nesta segunda-feira (21) que estão dispostos a "responder positivamente" à "perspectiva de um retorno dos Estados Unidos" à mesa.

Os ministros das Relações Exteriores europeus, chinês, russo e iraniano se reuniram para tentar acalmar a situação, enquanto se espera a posse do novo governo americano e em meio aos recentes passos do Irã, que o afastam cada vez mais de seus compromissos.

Essa reunião foi virtual, devido à pandemia.

"Os ministros concordaram em continuar o diálogo (...) e falaram sobre a perspectiva de retorno dos Estados Unidos, destacando que estão dispostos a responder positivamente em um esforço conjunto", disse um comunicado comum.

A controversa em torno do programa nuclear iraniano aumenta desde o assassinato no final de novembro do físico nuclear iraniano Mohsen Fakhrizadeh.

Após o ataque, atribuído a Israel, a ala mais dura no Irã prometeu uma resposta, fragilizando um pouco mais o acordo assinado em Viena em 2015.

No início de dezembro, França, Reino Unido e Alemanha expressaram sua "profunda preocupação" com a instalação, em Natanz (centro), de três novas cascatas de centrífugas avançadas de enriquecimento de urânio.

Os três países se preocuparam com a adoção, no Parlamento iraniano, de uma lei controversa sobre o programa nuclear. Se promulgada, provavelmente significará o fim do acordo.

Este texto pede ao governo para reforçar claramente o programa nuclear e encerrar as inspeções da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

O presidente iraniano se mostrou confiante em que o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, voltará ao acordo do qual Donald Trump se retirou.

Biden, que assumirá a Presidência em 20 de janeiro, confirmou sua vontade de retornar ao Acordo de Viena.

bg/sg/eg/jz/aa/tt