Sikêra Júnior perde contrato de R$ 60 mil e dispara: "Mantenho a minha palavra"

·4 minuto de leitura
Sikêra Júnior perdeu mais de 7 contratos após promover discurso de ódio (reprodução / TV A Crítica)
Sikêra Júnior perdeu mais de 7 contratos após promover discurso de ódio (reprodução / TV A Crítica)

Resumo da Notícia:

  • O apresentador falou de forma preconceituosa contra a comunidade LGBT em seu programa 

  • Um movimento do grupo Sleeping Giants iniciou a cobrança de empresas sobre as falas 

  • Sikêra Júnior e a Rede TV! está sendo investigado pelo Ministério Público Federal pelas falas 

Sikêra Júnior não está preocupado com a debandada de patrocinadores do seu programa, o ‘Alerta Nacional’, exibido pela Rede TV!. Após perder mais de cinco anunciantes, o âncora reafirmou todos os ataques que fez à comunidade LGBTQIA+ na última semana.

“Recebi muito apoio e ataque. Tudo que falo nesse programa é de minha responsabilidade. Nunca fugi [de minha responsabilidade] e não vai ser agora. Mantenho a minha palavra. Quem trabalha comigo sabe do respeito que tenho por todos, independente da religião, cor da pele, sexo. Desafio qualquer um que me crítica a encontrar tantos homossexuais trabalhando na frente e por trás das câmeras”, afirmou Sikêra ao abrir o programa, em um editorial.

Leia também:

O âncora continuou: “Preciso reconhecer que me excedi. No calor do comentário, posso ter usado palavras que me arrependo, sou humano. Errei, erro e vou errar, quantas vezes já repeti isso aqui? Sou humano! O que eu tenho sofrido com essa situação... ninguém está imune de errar. Como falei, tenho a responsabilidade de pedir desculpas publicamente. Você que se sentiu ofendido: lhe peço perdão.”

Após o editorial, ele desdenhou das mais de sete empresas que romperam contratos com o programa. “Muito obrigado às marcas que continuam. Venho recebendo telefonemas de clientes que já queriam entrar, porque temos uma fila de espera. Nós vendemos muito bem, esse programa é bem visto. As marcas que continuam anunciando aqui, essas que apoiam minha forma de pensar, de opinar, muito obrigado pela confiança”, ressaltou.

Até esta terça-feira (29), Hapvida, Kicaldo Alimentos, Novo Mundo, Sorridents, MRV, Ford e Blidex retiraram seus anúncios do programa. Só a empresa odontológica pagava cerca de R$ 60 mil por mês para aparecer por lá. O valor foi divulgado pelo próprio Sikêra há algumas semanas quando se defendeu de ter recebido dinheiro do Governo Bolsonaro para fazer propaganda.

Além deles, Magalu, Tim e Stroytel colocaram o canal do apresentador na lista de restritos para que seus anúncios na plataforma não apareçam por lá. O serviço, inclusive, colocou a conta de Sikêra em suspensão de sete dias para que seja averiguado se ele quebrou alguma das normas de conduta.

Investigado pela justiça

O apresentador Sikêra Júnior e a Rede TV! agora são investigadas pelo Ministério Público Federal após o apresentador proferir discursos de ódio contra a comunidade LGBTQIA+ no programa ‘Alerta Nacional’ do dia 25 de junho.

“MPF e Nuances pedem que Rede TV! e Sikêra Jr sejam condenados ao pagamento de R$ 10 milhões a título de indenização por danos morais coletivos – valor a ser destinado à estruturação de centros de cidadania LGBTQIA+”, diz a ação civil pública que o órgão assina em conjunto com a associação Nuances, que luta pela a livre expressão sexual.

LGBTfobia é crime

Em resposta as falas do apresentador na última semana, o deputado federal David Miranda (PSOL/RJ) protocolou uma representação junto à Procuradoria dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal sob a acusação de homofobia e transfobia.

“Falas homofóbicas e transfóbicas como a do apresentador Sikêra Jr. colocam em risco a vida da população LGBTQIA+. Não é liberdade de expressão, é um verdadeiro discurso de ódio. É preciso ressaltar que os canais de televisão e, consequentemente todos os programas nele veiculados, são concessão de um serviço público de telecomunicação. Neste sentido, cabe ao MPF [Ministério Público Federal] promover ação civil pública para obter a condenação do apresentador e também da emissora", disse o deputado à ‘Folha’.

O senador Fabiano Contarato (Rede/ES) também fez um pedido de investigação. “Pedimos ao Ministério Público que investigue este apresentador por homofobia, conduta que deve ser punida na lei penal. Liberdade de expressão não pode ser usada p/ cometimento de crimes, incitação à violência e ofensa à honra, à dignidade e à imagem”, afirma.

Entenda o caso

Sikêra Júnior usou o editorial do seu programa, o ‘Alerta Nacional’, exibido pela RedeTV!, para atacar a campanha do Burger King para celebrar o Dia do Orgulho LGBTQIA+. A campanha aborda filhos de casais da comunidade e como eles lidam com ter dois pais ou duas mães.

O apresentador pediu um boicote à lanchonete e esbravejou: “Vocês não têm filhos, não procriam, não reproduzem. Eu cheguei a seguinte conclusão: vocês precisam de tratamento. Que tara é essa de pegar as crianças do Brasil? Se você quer dar esse rabo, dê, mas não leve as crianças. Preconceito existe e isso nunca vai ser normal para um homem de bem, um homem de família.”

É importante ressaltar que preconceito contra pessoas LGBT é crime no Brasil. No mesmo entendimento dos crimes de racismo, a prática de LGBTfobia prevê reclusão de um a três anos e pagamento de multa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos