Simone Tebet conquista primeiros apoios com Podemos e Cidadania; PSDB libera bancada

Julia Lindner
·3 minuto de leitura
Marcelo Camargo / Agência O Globo

BRASÍLIA - Candidata à presidência do Senado pelo MDB, a senadora Simone Tebet (MS) conquistou nesta quarta-feira o apoio do Podemos e Cidadania, mas sem unanimidade no primeiro caso. Simone ainda enfrenta dificuldades para formar aliança com o PSDB, que está dividido e decidiu liberar a bancada. As alianças são consideradas fundamentais para a emedebista construir uma campanha competitiva contra o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cujo bloco reúne oito siglas até o momento.

No PSDB, que possui sete parlamentares, o partido caminhava para apoiar Simone, mas quatro integrantes manifestaram hoje ter preferência pela candidatura de Pacheco alegando questões regionais contra o MDB - Roberto Rocha (MA), Izalci Lucas (DF), Plínio Valério (AM) e Rodrigo Cunha (AL). Sem consenso, o líder interino da bancada, Izalci, afirmou que decidiram liberar a bancada. Um dos motivos, de acordo com ele, é que não há unanimidade em torno do nome da candidata do MDB nem mesmo dentro do partido dela.

Nas redes sociais, antes da reunião do PSDB, parlamentares da bancada declararam apoio à Simone para marcar posição. O senador tucano José Serra (SP) afirmou que a eleição de Simone como primeira presidente mulher do Senado será um "grande avanço".

"Declaro meu apoio à senadora Simone Tebet para a Presidência do Senado. Renovar é preciso e estou certo de que sua eleição será um grande avanço. À frente da CCJ, Simone nos mostrou seriedade, firmeza e espírito democrático. Agora, vamos elegê-la a 1ª mulher Presidente do Senado!", escreveu Serra.

A senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) também defendeu o nome de Simone e convocou outros parlamentares a fazerem o mesmo.

"Colegas senadores, vamos eleger Simone Tebet à presidência do Senado. Independência dos poderes e harmonia, sem polarização. Simone representa renovação, seriedade, diálogo, além de valorizar a força da mulher na política", disse Gabrilli.

No Podemos, a decisão foi fechada a favor de Simone, mas não foi unânime. De acordo com relatos, os senadores Marcos do Val (ES) e Romário (RJ) indicaram preferência por Pacheco. A bancada tem nove parlamentares.

"O Podemos manifesta seu apoio a Senadora Simone Tebet para a Presidência do Senado Federal após discussão e reflexão sobre os seus compromissos e ideias. Como sempre a bancada respeitara eventuais opiniões divergentes, dos seus senadores. O partido confia na mudança e na afirmação do protagonismo ético do Senado , reafirmando seu compromisso com a independência dos poderes, e a governabilidade", disse o partido em nota.

Roberto Freire, presidente nacional do Cidadania, que tem três senadores, também anunciou apoio do partido à candidata do MDB. O vice-líder da sigla no Senado, Alessandro Vieira (SE), afirmou que Simone vencerá no "voto a voto".

"Em 2019 a eleição no Senado se resumiu a evitar Renan, o que resultou em Davi. Trabalhamos 2 anos fortalecendo os independentes e a eleição em 2021 terá esta marca. Voto e peço votos para Simone com a certeza de que ela vai conduzir o Congresso Nacional de que o Brasil precisa", disse Vieira no Twitter.

Ao GLOBO, Vieira confirmou que a bancada decidiu apoiar Simone. A assessoria de imprensa da líder da bancada do Cidadania, Eliziane Gama (MA), no entanto, informou que os senadores do partido vão se reunir no próximo sábado e só depois a decisão será oficializada.

Integrante da bancada, o senador Jorge Kajuru (GO) desistiu de sua candidatura para apoiar Simone. Nas redes sociais, ele tem criticado a campanha do senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Embora Simone tenha sido anunciada ontem como candidata, ela já costurava uma possível aliança com algumas legendas desde o final do ano passado. Após receber sinalizações favoráveis de senadores de fora do MDB, os integrantes da bancada avaliaram que ela seria o nome com maiores chances de vencer.