Tebet afirma que “não haverá paz” caso o eleito seja Bolsonaro ou Lula

Brazilian Senator Simone Tebet celebrates during the launch of her presidential bid during the Democratic Movement Party national convention, in Brasilia, Brazil, Wednesday, July 27, 2022. (AP Photo/Eraldo Peres)
Brazilian Senator Simone Tebet celebrates during the launch of her presidential bid during the Democratic Movement Party national convention, in Brasilia, Brazil, Wednesday, July 27, 2022. (AP Photo/Eraldo Peres)

Segundo a candidata do MDB à Presidência, Simone Tebet, não haverá paz no Brasil, a partir de janeiro de 2023, se o eleito para presidir o país for Lula (PT) ou o presidente Jair Bolsonaro (PL).

“O Brasil só vai se reencontrar e resolver os seus reais problemas se houver a paz, pacificação e união das famílias e união do Brasil. E isso nós não teremos a partir de Janeiro do ano que vem com os 2 candidatos que pontuam porque eles dependem um do outro”, disse a senadora a jornalistas após o Encontro de com Líderes do Varejo do IDV (Instituto para o Desenvolvimento do Varejo), em São Paulo (SP) nesta segunda-feira (5).

De acordo com a congressista, tanto Lula quanto Bolsonaro criam “inimigos imaginários” enquanto ignoram os “problemas reais” do país.

“[Lula e Bolsonaro] se alimentam um do radicalismo do outro para poder continuar pontuando nas pesquisas. Isso só levaria um 2º turno para ter em 31 de dezembro de 2026”, afirmou.

Para Tebet, a polarização entre os dois líderes nas pesquisas de intenção de votos continuaria mesmo após o fim do mandato de qualquer um que ganhasse.

Durante o evento, Simone Tebet, que se coloca como a opção do “centro democrático”, disse ter expectativa de chegar ao segundo turno.

“Eu tenho certeza que a população brasileira no momento certo que agora no momento da eleição vai tendo consciência disso vai levar o centro democrático o segundo turno e estando no segundo turno”, afirmou Tebet. Até agora, a emedebista tem chegada a 4% das intenções de voto, ficando em quarto lugar entre os candidatos. À frente dela estão Ciro Gomes, que marca até 8%, Bolsonaro e Lula, que são os favoritos.

No evento, a senadora também confirmou que estará em Brasília amanhã (16) para a posse de Alexandre de Moraes no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A candidata apontou que todos os candidatos deveriam parar as agendas e ir ao evento como uma demonstração de confiança no processo eleitoral e nas urnas eletrônicas.