Tebet defende vice por uso de orçamento secreto: “Parabéns por abrir as contas"

Orçamento secreto: Tebet afirmou que nunca foi contrária ao uso das emendas, mas a falta de transparência no processo - Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images
Orçamento secreto: Tebet afirmou que nunca foi contrária ao uso das emendas, mas a falta de transparência no processo - Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images

Uma das maiores críticas ao orçamento secreto, Simone Tebet (MDB), candidata à sucessão presidencial, saiu em defesa da vice dela, Mara Gabrilli (PSDB), após reportagem do jornal Estado de S.Paulo apontar que a senadora tucana destinou R$ 19,2 milhões dessas emendas em 2020.

Tebet afirmou que nunca foi contrária ao uso das emendas, mas a falta de transparência no processo. A candidata parabenizou a companheira de chapa por “abrir as contas”.

“Parabéns Mara Gabrilli por ter sido a primeira a abrir as contas. É isso que nós queremos do homem público. O dinheiro é do povo e nós temos que dar transparência”, afirmou a jornalistas. De acordo com documentos enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF), Gabrilli enviou verbas para 19 municípios com recursos para postos de saúde e hospitais.

A fala foi feita na quarta-feira (31), durante encontro com membros do Observatório da Democracia do Parlamento do Mercosul, que participarão da fiscalização das eleições deste ano. O encontro foi parcialmente aberto à imprensa e reuniu parlamentares da Argentina, Uruguai e Paraguai.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

O orçamento secreto consiste na liberação de verbas federais para deputados e senadores sem esclarecimento sobre critérios no atendimento nem de quais parlamentares são atendidos. O esquema começou a funcionar em 2020 e já movimentou até R$ 16,5 bilhões somente em 2022. A situação foi revelada pelo jornal Estadão e se tornou um dos maiores escândalos da gestão do presidente Jair Bolsonaro (PL).

Documentos enviados ao Supremo Tribunal Federal (STF) apontam que Mara Gabrilli foi responsável por indicar valores dessas emendas. Em nota enviada ao veículo, a senadora garantiu que as verbas foram destinadas para saúde, educação e inclusão social em 2020, no auge da pandemia de covid-19. Ela ainda disse que defende a transparência de todos os recursos para que não sejam “secretos”.