'Me sinto enojada': Funcionários relatam demissão em massa do Twitter

A sexta-feira começou amarga para cerca funcionários do Twitter em todo mundo, inclusive no Brasil. Depois de meses de negociação, que chegaram a ser suspensas, uma das primeiras decisões do bilionário Elon Musk ao comprar a empresa foi um imenso corte da equipe. No Brasil, a estimativa é de 150 pessoas, segundo o jornal Valor Econômico.

Redes sociais: Musk pergunta a usuários do Twitter se deve reativar o Vine, rival do TikTok

O clima se tornou pesado desde a quinta-feira, quando os empregados receberam um e-mail dizendo que haveria demissões e que eles receberiam notícias sobre o processo pela manhã de hoje - no email de trabalho, se ainda fossem empregados da empresa, ou email pessoal, caso estivessem na lista de demissão.

Quem perdeu o emprego sequer conseguiu ligar seus computadores. De acordo com a agência Reuters, os gerentes foram proibidos de convocar reuniões ou se comunicar diretamente com a equipe.

Alerta: Como CEO do Twitter, Elon Musk terá de agir rápido para resgatar confiança na rede social

Em relatos no próprio Twitter, muitos compartilharam o sentimento de tristeza e mágoa com a frieza com a qual foram desligados. Nos posts, muitas histórias com fotos do computador sem poder logar.

Um dos funcionários de Londres relata que não conseguiu acessar sua conta às 3h (horário local). Nos comentários, vários usuários repudiaram a forma de desligamento.

Os funcionários que mantiveram seus empregos também se manifestaram contra a demissão coletiva, a exemplo desta profissional desenvolvedora de software que diz: " Recebi o e-mail... ainda tenho um emprego. Mas fiquei acordada ontem à noite vendo pessoas trabalhadoras, talentosas e atenciosas serem desconectadas uma a uma e não sei o que dizer. Não fui demitida, mas me sinto enojada".

Elon Musk não se pronunciou oficialmente. Em sua conta na sua nova rede social se limitou a dizer que o “Twitter teve uma queda expressiva de receita devido a grupos ativistas pressionando os anunciantes, mesmo que nada tenha mudado em relação à moderação de conteúdo e nós fizemos o que podíamos para apaziguar os ativistas”, sem se referir às demissões. E continuou: “Totalmente bagunçado. Eles estão tentando destruir a liberdade de expressão na América”.

Brasileiros também compartilharam o luto da notícia que pegou todos de surpresa. Porém, enquanto em outros países os tweets oscilam de lamentações a mensagens positivas de colegas e anônimos, no Brasil, alguns usuários da rede ligaram o corte global a uma questão política brasileira e aplaudiram a decisão.