Sites de Allan dos Santos foram derrubados por ordem da Justiça, diz plataforma

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 05.11.2019 - O influenciador Allan dos Santos, um dos fundadores do site bolsonarista Terça Livre. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 05.11.2019 - O influenciador Allan dos Santos, um dos fundadores do site bolsonarista Terça Livre. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma decisão judicial foi a causa da derrubada de sites ligados ao bolsonarista Allan dos Santos nesta semana. Os endereços estavam hospedados na plataforma Wix, que a princípio disse não ter visto motivos para a remoção. A existência de uma decisão abre mais um capítulo no embate travado entre a Justiça brasileira e o apoiador de Jair Bolsonaro (PL).

"O website e conta em questão foram removidos e bloqueados em razão de específica ordem judicial decorrente de processo judicial que tramita em segredo de Justiça e, por esse motivo, estamos impedidos de fornecer mais informações", diz, em nota, o Wix.

Investigado no âmbito do inquérito das fake news e de atos antidemocráticos, Allan dos Santos está foragido desde que teve a sua prisão decretada pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes. Procurada, a corte diz que o processo é sigiloso e não responde se a decisão de derrubar os sites do influenciador nesta semana partiu do magistrado.

Na quarta (13), o influenciador usou seu perfil na rede social Gettr para se queixar do banimento. "Perdi tudo: lives, artigos, alunos etc", escreveu ele, que diz ser alvo de comunistas. À revelia de decisões do STF, Allan já se inscreveu em uma outra plataforma e tenta angariar novos assinantes. "Isso poderá me ajudar a pagar o aluguel", afirmou.

A decisão que derrubou os sites foi cumprida após o movimento Sleeping Giants Brasil enviar uma notificação extrajudicial ao Wix reclamando de sua manutenção no ar. O caso foi revelado pela coluna Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

Afirmando oferecer "o conteúdo que as redes sociais temem chegar até você", um dos sites de Allan dos Santos disponibilizava assinaturas anuais que variavam de US$ 100 a US$ 200 (entre R$ 530 e R$ 1.060) ou taxas mensais que iam de US$ 10 a US$ 20 (de R$ 53 a R$ 106). Os pacotes liberavam desde acesso a artigos a vídeos e fóruns.

Conhecido por alertar empresas sobre sites que reproduzem conteúdo de ódio ou mentiroso, o Sleeping Giants afirmou que, ao processar pagamentos, o Wix estava viabilizando a assistência a um fugitivo, além de facilitar o descumprimento de determinação do Supremo Tribunal Federal.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos