Situação das estradas piora em 2022 e país tem 66% das rodovias em mau estado

A situação da malha rodoviária do país piorou em 2022. Neste ano, 66% das rodovias foram consideradas em mau estado, contra 61,8% no ano anterior, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgada nesta quarta-feira.

Impasse: Anac nega pedido da concessionária do Galeão para assinar documento que dá início à relicitação

Contas públicas: 'Vai ser PEC', diz líder do PT sobre como Lula pretende buscar margem no orçamento para bancar Bolsa Família

Dos 110,3 mil quilômetros analisados, 44,9 mil foram considerados em estado regular, 20,7 mil em estado ruim e 7,1 mil em péssimo estado. Juntos somam 66% das rodovias do país. Em ótimo ou bom estado, foram 37 mil quilômetros.

A avaliação considera vários itens, como a qualidade do pavimento das estradas, se a sinalização é adequada e a geometria da vida, como se há presença de faixas adicionais ou curvas perigosas.

Bruno Batista, diretor-executivo da CNT, ressaltou que a piora no estado geral das rodovias está muito relacionada à falta de recursos destinados para investimentos.

— Há uma degradação evolutiva e constante da qualidade das rodovias no Brasil essa degradação está relacionada a queda dos investimentos. Estamos nos últimos 5 anos com investimento abaixo de R$ 10 milhões de reais. Com esse volume tão reduzido, os próprios órgãos do governo não tem condições de fazer manutenção — afirmou.

Segundo a análise da CNT, a maior parte das rodovias em mau estado está sob gestão pública. Dos 87,1 mil quilômetros analisados, 75,3% estão em estado regular, ruim ou péssimo. Outras 24,7% foram avaliadas com boas ou ótimas.

Trânsito Livre: PRF afirma que não há mais bloqueios e interdições em rodovias federais

Já entre as rodovias que foram concedidas, 16 mil quilômetros foram avaliadas com boas ou ótimas, ou 69% das estradas consideradas. Outros 7 mil quilômetros, 31% das rodovias, são regulares, ruins ou péssimas.

Segundo Batista, a discrepância entre a qualidade das rodovias sob gestão pública e privada é principalmente devido ao fluxo de recursos investidos na manutenção.

— O fato é que volume maior de recurso destinado de forma perene e constante é que fazem com que as rodovias concedida tenham um nível de qualidade muito superior ao de rodovias públicas que tem sempre essa carência no fluxo de recursos — disse.

Alerta dos especialistas: Plano da equipe de Lula de criar preços regionais para combustíveis é de difícil execução

Acidentes e custos

A pesquisa da CNT mostra um leve aumento no número de acidentes rodoviários entre 2020 e 2021. Há dois anos, foram 63.548 contra 64.515 acidentes ocorridos em rodovias federais no ano passado.

A Confederação calcula o custo econômico desses acidentes em R$ 12,7 bilhões em 2021. No ano anterior, foi de R$ 11,7 bilhões.

Segundo a CNT cada acidente com fatalidade tem custo médio de R$ 1 milhão, com vítimas de R$ 153,4 mil e sem vítimas, R$ 37,3 mil.

Transição: Pérsio diz que inclusão social exige também solução de longo prazo via educação de qualidade

Rodovias em estado ruim também impactam o meio ambiente e o custo operacional de quem trafega. O estudo aponta que houve consumo desnecessário de 1 bilhão de litros de diesel fóssil em 2022, ou R$ 4,9 bilhões a mais de custo, por conta das “inadequações” do pavimento.

“Rodovias deficientes reduzem a segurança viária, aumentam o custo de manutenção dos veículos, além do consumo de combustível, lubrificantes, pneus e freios”, aponta o relatório.