Situação em Tchernóbil é anormal e muito perigosa, diz ONU

·1 min de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O argentino Rafael Grossi, diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica, ligada à ONU, disse que a situação na usina nuclear desativada de Tchernóbil é "absolutamente anormal e muito, muito perigosa".

Ele lidera uma missão à usina, que foi ocupada durante semanas pelos russos e depois abandonada, para avaliar os danos à segurança do lugar, palco de um dos maiores acidentes nucleares da história.

Em 1986, um dos reatores de lá explodiu, contaminando muito a região e espalhando radiação pela Europa. Há relatos de que os russos cavaram trincheiras em solo radioativo, entre outros problemas como falta de energia para sistemas de segurança que mantém o núcleo derretido do reator sob controle.

"Nós trouxemos equipamentos e vamos restaurar os sistemas de monitoramento de salvaguardas", disse Grossi.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos