Skate: Super Crown do Street League começa no Rio com nove brasileiros

Após três etapas nos Estados Unidos, o Rio de Janeiro recebe a partir de amanhã a última fase do Street League Skateboarding (SLS), o Super Crown, que vai coroar os campeões do circuito. O evento será disputado na Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca, com a participação de 35 atletas, sendo nove brasileiros — cinco no masculino e quatro no feminino. Rayssa Leal e Pâmela Rosa já têm vagas nas finais, no domingo.

ENTREVISTA: 'Estamos trabalhando para ter um evento anual no Brasil', diz CEO do SLS

LEIA: Rayssa Leal é campeã da SLS pela sexta vez

O SLS é dividido em quatro etapas. As primeiras aconteceram em Jacksonville, Seattle e Las Vegas, nos EUA. Os skatistas acumularam pontos para o Super Crown, a grande final. Os quatro melhores ranqueados garantiram vaga direta na decisão, e os demais disputam as quatro vagas restantes. Rayssa Leal é a primeira no feminino e Pâmela Rosa aparece em quarto.

No masculino, o brasileiro com a melhor posição é Felipe Gustavo, em nono, seguido por Kelvin Hoefler, prata nas olimpíadas de Tóquio, que está na 11ª posição. Além deles também tentam vaga na final Filipe Mota, Luan Oliveira e Carlos Ribeiro.

— Chegar na final hoje em dia é quase como ganhar o evento, porque está ficando cada vez mais difícil. O esporte tem crescido muito. Todo dia chega uma pessoa nova de 10, 15 anos fazendo uma manobra nova que eu mesmo nunca fiz na vida — diz Felipe Gustavo, que participa do SLS desde 2015 e integra a seleção brasileira de skate.

No feminino, a expectativa é que Marina Gabriela e Gabriela Mazetto se juntem a Rayssa e Pâmela na final de domingo. A dupla está, respectivamente, em quinto e sétimo lugares.

— Estar no SLS significa muito, é um dos maiores campeonatos do mundo do skate. Eu acho que vai ser uma das melhores finais, ainda mais por ser aqui no Brasil. Vai ser muito legal — disse Marina.

—Ter uma final do SLS no Brasil é demais, pois temos toda a energia brasileira vibrando em todos os momentos, é o jeitinho brasileiro de comemorar — completou Gabriela Mazetto.

Joe Carr, CEO do SLS, explicou que, ao fim da competição, um skatepark será erguido no Parque Olímpico com partes da pista usada na competição.