Snowden recebe permissão de residência permanente na Rússia

·1 minuto de leitura
Edward Snowden se beneficiava até agora de um primeiro direito de asilo de um ano, depois uma permissão de residência de três anos, estendida em 2017
Edward Snowden se beneficiava até agora de um primeiro direito de asilo de um ano, depois uma permissão de residência de três anos, estendida em 2017

O ex-analista de Inteligência e lançador de alertas americano Edward Snowden, procurado por Washington, obteve uma permissão de residência permanente na Rússia, onde está refugiado desde 2013 - anunciou seu advogado nesta quinta-feira (22).

"Os serviços de migração da Rússia concederam hoje a Snowden uma permissão de residência permanente", disse Anatoli Kutcherena, advogado do ex-funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês), dos Estados Unidos.

Kutcherena confirmou à AFP que a permissão de residência foi estendida por tempo indeterminado. O anúncio foi possível, graças às recentes mudanças nas leis de imigração russa.

A solicitação foi feita em abril, mas sua revisão se atrasou, devido à pandemia de coronavírus, acrescentou.

Edward Snowden se beneficiava até agora de um primeiro direito de asilo de um ano, depois uma permissão de residência de três anos, estendida em 2017. 

O ex-analista abandonou os Estados Unidos depois de divulgar à imprensa dezenas de milhares de documentos que comprovam o alcance das atividades da NSA, demonstrando o alcance da vigilância eletrônica exercida pelos EUA.

Essas revelações provocaram fortes tensões entre Estados Unidos e seus aliados. Depois, a decisão das autoridades russas de lhe conceder uma permissão de residência enfureceu Washington.

Em agosto, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que "iria dar uma olhada" em um possível indulto a Edward Snowden, acusado de "espionagem" em seu país. Se for julgado e considerado culpado nos EUA, pode enfrentar até 30 anos de prisão.

Privado de seu passaporte americano a pedido de Washington, Snowden acabou indo para Moscou em maio de 2013, depois de chegar lá procedente de Hong Kong e com a intenção de buscar refúgio na América Latina. Finalmente, viu-se estancado na Rússia, onde recebeu asilo.

tbm/pop/mr/msr/mb/aa/tt