“Só professor que não quer trabalhar na pandemia”, diz líder do governo na Câmara

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Ricardo Barros defendeu o retorno das aulas presenciais em todo o Brasil (AP Photo/Felipe Dana)
Ricardo Barros defendeu o retorno das aulas presenciais em todo o Brasil (AP Photo/Felipe Dana)
  • Ricardo Barros considerou que "só os professores não querem trabalhar" durante a pandemia

  • Líder do governo na Câmara criticou as manifestações dos educadores contra o retorno das aulas presenciais

  • Ele considerou que "não há desculpas" para que as escolas não sejam reabertas

Líder do governo na Câmara de Deputados, Ricardo Barros (Progressistas) criticou nesta terça-feira as manifestações de professores pelo Brasil contrários à realização de aulas presenciais. Segundo o deputado federal, só eles “não querem trabalhar” durante a pandemia.

Leia também

“Infelizmente, o Brasil foi abduzido pelas corporações. Não tem nenhuma razão para o professor não dar aula. O profissional de saúde está indo trabalhar, o profissional do transporte está indo trabalhar, o profissional da segurança está indo trabalhar, o pessoal do comércio está indo trabalhar, só professor que não quer trabalhar", afirmou em entrevista à CNN Brasil.

Incomodado com a postura dos professores, Barros revelou que há uma votação no Congresso para transformar a educação em serviço essencial, o que faria com que todas as escolas fossem reabertas mesmo em meio ao pior momento da Covid-19 no país.

Diversas escolas pelo Brasil voltaram com as aulas presenciais (AP Photo/Andre Penner, File)
Diversas escolas pelo Brasil voltaram com as aulas presenciais (AP Photo/Andre Penner, File)

"É absurdo a forma como estamos permitindo que os professores causem tantos danos às nossas crianças na continuidade da sua formação. O professor não quer se modernizar, não quer se atualizar. Já passou no concurso, está esperando se aposentar, não quer aprender mais nada", considerou.

"Não há desculpas"

O parlamentar disse entender que o trabalho dos educadores nas escolas pode ter alguma restrição por conta do coronavírus, mas que, independentemente disso, “eles precisam trabalhar”.

Ricardo Barros declarou, ainda, que diversas escolas públicas e particulares pelo Brasil já reabriram, com a presença dos professores, o que, segundo ele, mostra que “não há desculpas” para alguns não retornarem.