“Só vi meu rosto sangrando”, diz aluna esfaqueada por colega em escola no RJ

"Só vi meu rosto sangrando": relato de aluna esfaqueada - Foto: Reprodução/TV Globo
"Só vi meu rosto sangrando": relato de aluna esfaqueada - Foto: Reprodução/TV Globo
  • Esfaqueada por colega em escola, aluna disse que só se lembra do "rosto sangrando"

  • Ela foi uma das três vítimas de um aluno em escola da Ilha do Governador na última sexta

  • O agressor também se feriu e foi encaminhado a uma instituição psiquiátrica

Esfaqueada por um colega na escola em que estuda na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, uma jovem de 14 anos relatou os momentos de terror vividos na última sexta-feira (6).

A menor de idade, que não teve a identidade revelada, foi uma das três vítimas do ataque de um aluno na Escola Municipal Brigadeiro Eduardo Gomes, no bairro Jardim Guanabara.

À TV Globo, ela explicou que reagiu após ver o colega agredindo uma amiga, sem saber, no entanto, da violência do episódio.

“Eu vi ele atacando ela, só que na primeira vista que eu olhei, eu achava que era um ‘negocinho’ de papel, eu achava que era isso, porque ele tinha bem essas brincadeiras de mau gosto. Aí eu pedi para ele parar. Nisso que eu pedi para ele parar, ele meio que começou a me atacar, e ela saiu correndo. Eu só vi o meu rosto sangrando e os outros dois machucados, eu não senti”, declarou.

Todas as vítimas têm 14 anos e foram esfaqueadas por um colega do mesmo ano em sala de aula. Apesar do susto, elas tiveram ferimentos leves.

O trauma psicológico, porém, está bastante vivo nestes jovens. Nenhum dos três foi à escola na retomada das aulas, nesta segunda-feira (9).

“Nos primeiros dias, quando eu dormia, quando eu conseguia, né, dormir, era bem complicado, passava tudo na minha cabeça de novo e qualquer barulho eu já acordava. Não consigo ficar sozinha, não consigo dormir sozinha, não consigo fazer nada sozinha”, comentou outra aluna atingida.

Relembre o caso

Os ataques aconteceram por volta das 9h40 de sexta e terminaram com o agressor também ferido. Ele esfaqueou duas garotas e um menino que estudam em sua sala.

O agressor foi transferido para uma unidade de saúde psiquiátrica da Prefeitura do Rio de Janeiro para avaliação e continua em observação.

Após o caso, o policiamento foi reforçado e o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, esteve na escola e também foi ao hospital visitar as vítimas.

"Saí agora da Escola Brigadeiro Gomes onde um menino de 14 anos atacou outros colegas. A situação lá está sob controle e com a secretaria de educação prestando auxílio a todos. Estive também no Hospital Evandro Freire e as crianças passam bem e devem ser liberadas ainda hoje", afirmou. "Conversei com todas as crianças e os responsáveis e a prefeitura acompanhará essas famílias prestando todo apoio necessário."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos