Sob críticas por tentar escapar da quarentena, Boris Johnson entra em isolamento após contato com ministro com Covid

·3 minuto de leitura

LONDRES — Sob uma chuva de críticas por estarem tentando escapar da quarentena, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o ministro das Finanças, Rishi Sunak, irão se isolar seguindo as orientações nacionais depois de terem tido contato com o ministro da Saúde, que está com Covid-19.

Na manhã deste domingo, o governo havia informado que Boris e Sunak, que se encontraram com o ministro da Saúde esta semana, tiveram contato com uma pessoa infectada pela Covid, mas que ambos não iriam se isolar. Boris e Sunak iriam participar de um "esquema piloto de teste diário" que lhes permitiria "continuar trabalhando em Downing Street".

Menos de três horas após o anúncio, alvo de fortes críticas de opositores e cidadãos, o governo informou que a decisão fora alterada.

— Ele [Boris] não participará do teste piloto — informou um porta-voz. — Ele continuará conduzindo reuniões com ministros remotamente.

A polêmica ocorre no momento em que o Reino Unido volta a enfrentar uma alta de casos e na véspera do fim das restrições que ainda estão em vigor no país. A partir desta segunda-feira, no que os britânicos batizaram de "Dia da liberdade", boates irão reabrir, bares e restaurantes poderão receber mais clientes, e a exigência do uso de máscara nos transportes públicos e em lojas acabará.

Especialistas, no entanto, pedem que o governo reveja a medida. Na sexta-feira, cientistas renomados de diversos países publicaram uma carta solicitando que Londres adie o fim das restrições, alertando que "[essa] estratégia de infecção em massa corre o risco de minar os esforços de controle da pandemia não apenas no Reino Unido, mas também em outros países".

Apesar de 68% da população já terem tomado pelo menos uma dose da vacina e 52,6% estarem totalmente imunizada — e com o número de mortes muito menor do que em outros picos da doença — segundo dados do site Our World in Data, o Reino Unido vem registrando mais de 50 mil novos casos diariamente.

Com centenas de milhares de britânicos sendo solicitados a se isolarem por 10 dias, a decisão do premier e do ministro de continuarem trabalhando normalmente revoltou a população.

— Boris Johnson e Rishi Sunak falharam mais uma vez ao pensarem que as regras que todos nós seguimos não se aplicam a eles — disse o líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer. — A forma como o primeiro-ministro se comporta cria caos, contribui para o mau governo e tem consequências mortais para o público britânico.

Johnson vai se isolar na sua residência de campo de Chequers. Após as reações, Sunak admitiu as críticas à sua decisão inicial.

"Reconheço que mesmo a sensação de que as regras não são as mesmas para todos está errada", disse ele no Twitter.

A nova polêmica do governo britânico ocorre menos de um mês após o então ministro da Saúde, Matt Hancock, renunciar depois de vídeos e fotos terem sido divulgados mostrando-o em violação das regras da quarentena ao abraçar e beijar uma de suas assistentes.

Sob o argumento de que a avançada campanha de imunização levou a uma taxa de mortes muito menor na comparação com o número de casos, o ministro da Habitação, Roberto Jenrick, confirmou que o governo irá manter o plano de encerrar as restrições restantes na segunda-feira.

— A última vez que tivemos casos no nível que temos hoje, o número de pessoas morrendo por causa do vírus era 30 vezes o número que é hoje — justificou Jenrick à BBC.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos