Atriz pornô pede a Tribunal dos EUA que Trump preste depoimento sob juramento

Washington, 28 mar (EFE).- A atriz pornô Stormy Daniels apresentou nesta quarta-feira uma moção em um tribunal da Califórnia que procura forçar o presidente americano, Donald Trump, e seu advogado, Michael Cohen, a prestar depoimento sob juramento perante a Justiça.

O advogado da atriz, Michael Avenatti, apresentou um pedido para que Trump preste depoimento "por não mais de duas horas" e diga se conhecia a existência de um suposto pacto de confidencialidade relacionado com uma relação sexual entre ele e sua cliente em 2016, quando Trump já estava casado com Melania.

A solicitação ao tribunal também pede declarações de Cohen, o advogado de Trump que assegurou ter feito um pagamento de US$ 130 mil a Stormy de seus próprios fundos e sem o conhecimento do presidente.

Neste documento, Avenatti se refere a Trump como "David Dennison" e a Stormy Daniels como "Peggy Peterson", supostos apelidos usados nesse hipotético acordo de confidencialidade entre ambos.

Daniels, cujo nome real é Stephanie Clifford, já tratou de aumentar na terça-feira a pressão contra Cohen, ao emendar sua demanda contra Trump para incluir também esse advogado, que é acusado de difamação por ter insinuado que ela mente.

Se Trump for obrigado a testemunhar sobre seu histórico sexual sob juramento, deverá ter em mente o precedente de Bill Clinton (1993-2001), que foi submetido a um julgamento político por ter mentido sob juramento sobre suas relações com a estagiária Monica Lewinsky em processo judicial não relacionado sobre assédio sexual.

No domingo, a estrela pornô explicou em entrevista no programa "60 minutes", da emissora americana "CBS", que um homem se aproximou de um estacionamento em Las Vegas em 2011 e disse que não falasse sobre sua suposta relação sexual com Trump em 2006 se não quisesse ter problemas.

"Deixe Trump sozinho. Se esqueça da história", relembrou Daniels sobre as palavras do homem, que olhou para filha da atriz, que estava no assento traseiro do veículo e disse a seguinte frase: "é uma menina formosa. Seria uma pena que lhe ocorresse algo a sua mãe".

A atriz garantiu que o medo dessa ameaça foi o motivo pelo qual, na reta final da campanha presidencial de 2016, aceitou assinar o acordo de confidencialidade sobre seu romance com Trump por US$ 130 mil. EFE