Sobe para 37 número de mortos com chuvas em Minas Gerais

JOÃO PEDRO PITOMBO
BELO HORIZONTE, MG, BRASIL, 26-01-2020: Terreno onde um deslizamento de terra soterrou duas casas matando 5 pessoas, na rua Antônio Fernandes Melo, no Jardim Alvorada, em Belo Horizonte. (Foto: Eduardo Anizelli/ Folhapress, COTIDIANO) ORG XMIT: AGEN2001261452615417

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Subiu para 37 o número de mortos após as chuvas que atingem o estado de Minas Gerais desde esta sexta-feira (24). Os dados são Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais e foram divulgados na manhã deste domingo (26).

Também foram confirmadas 12 pessoas feridas e 21 desaparecidas. Ao todo 13.687 pessoas estão desalojadas e 13.354 desabrigadas.

A Defesa Civil chegou a divulgar um relatório confirmando 38 mortes. Cerca de meia hora depois, contudo, um novo relatório foi divulgado atualizando os dados. Também falou em 25 desaparecidos e depois ajustou o número para 21.

A maior parte das vítimas foi registrada na região metropolitana de Belo Horizonte: foram oito vítimas na capital, seis em Betim, cinco em Ibirité e uma Contagem.

Também foram registradas vítimas nas cidades de Alto Caparaó, Alto Jequitibá, Divino, Luisbrugo, Manhaçu, Pedra Bonita, Santa Margarida, Tocantins e Simonésia.

Em Belo Horizonte, pelo menos duas as mortes aconteceram na Vila Bernadete, em uma região concedida como Barreiro, após um deslizamento ter soterrado cinco casas no início da noite desta sexta-feira (24).

Os bombeiros trabalham nas buscas de novas vítimas na região, onde foram registrados cinco desaparecidos.

As chuvas também causaram transtornos na capital mineira. A força da água fez bueiros estourarem na Avenida dos Andradas, causando um efeito chafariz. Por baixo do concreto o corre o leito do rio das Arrudas.

Em Ibirité, que fica na região metropolitana de Belo Horizonte, quatro pessoas morreram após deslizamento de uma encosta.

Três vítimas foram identificadas pelo Corpo de Bombeiros: uma mulher adulta, um menino de seis anos e um bebê de cerca de seis meses -a mulher era mãe do bebê e foi achada com ele nos braços.

Em Betim, também na Grande BH, um deslizamento atingiu duas casas, matando três adultos e uma criança. Em uma das casas, um homem estava sozinho. Na outra, havia um casal e o filho.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, 36 cidades mineiras registram danos por causa das chuvas.

De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), o índice pluviométrico registrado entre 9h desta quinta-feira (23) e 9h desta sexta-feira (24) chegou a 178,8 milímetros. É o maior registro na história da capital mineira em um século de medições.

Belo Horizonte e a região metropolitana da capital registraram acumulado entre 240 mm e 250 mm de chuva em janeiro, segundo o Instituto Mineiro de Gestão de Águas. A previsão é que entre as 19h desta sexta e as 7h de sábado chova aproximadamente outros 100 milímetros.

Ao todo, 58 municípios de Minas Gerais registraram danos com as chuvas. Destes, 47 tiveram estado de emergência reconhecido pelo governo mineiro.

O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, fez um sobrevoo sobre áreas atingidas pela chuva neste domingo (26) e reuniu-se com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), além de prefeitos de outras sete cidades do interior.

Em entrevista à imprensa, o ministro afirmou que o governo federal possui R$ 90 milhões disponíveis para ações emergenciais na conta da Defesa Civil. A liberação dos recursos, contudo, acontecerá de acordo com as demandas do governo estadual e prefeituras.

“Neste momento, o mais importante é fazer com que a burocracia não impeça que os recursos cheguem aos municípios atingidos”, afirmou Canuto.

O governo federal também vai antecipar o pagamento do Bolsa Família e liberar o saque do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) para os atingidos pela chuva.

O governador Romeu Zema lamentou a perda de vidas e afirmou que o volume de chuvas que caiu no estado nos últimos dias foi fora do normal: “A quantidade de chuvas foi a maior da história”.

Ele ainda afirmou que unidades da polícia e do Corpo de Bombeiros do estado estão disponíveis para receber doações de alimentos não perecíveis, colchões, lençóis, material de limpeza e produtos de higiene.

Após o atendimento emergencial, o governo deverá atuar em obras de infraestrutura para minimizar os riscos de desabamentos e deslizamentos de terra. “Precisamos de políticas públicas consistentes e de longo prazo que venham eliminar essas situações de risco”, afirmou o governador.