Morre com 117 anos japonesa considerada pessoa mais velha do mundo

Tóquio, 22 abr (EFE).- A japonesa Nabi Tajima, reconhecida pelo Gerontology Research Group (GRG) como a pessoa mais velha do mundo, morreu na noite de sábado em um hospital do sudoeste do Japão devido à sua avançada idade, informou neste domingo a imprensa local.

Tajima nasceu em 4 agosto de 1900 na ilha de Kikai (Kagoshima), onde residia atualmente, e foi reconhecida pelas autoridades japonesas como a pessoa mais velha em setembro de 2017, após o falecimento da jamaicana Violet Brown.

A organização Guinness World Records estava fazendo pesquisas para reconhecer oficialmente Tajima após a morte também aos 117 anos de Brown.

A centenária japonesa tinha sido hospitalizada em janeiro após ficar doente, mas foi finalmente sua avançada idade que provocou sua morte, segundo disse sua família à emissora pública "NHK".

A idosa já não falava e passava quase todo o tempo dormindo, mas quando as autoridades locais a visitaram no ano passado para comunicar-lhe o recorde que ostentava, Tajima se mostrou contente e ensaiou uma dança quando um grupo de vizinhos cantou uma canção aos compassos de um instrumento tradicional.

De acordo com o GRG, após a morte de Tajima, a também japonesa Chiyo Miyako é com 116 anos e 354 dias a pessoa mais velha do mundo, seguida pela italiana Giuseppina Projetto-Frau, com 115 anos e 326 dias de idade.

O número de pessoas centenárias em Japão bateu um recorde de 67.824 em setembro passado, 2.132 mais que em 2016, segundo os dados mais recentes do Ministério de Saúde do Japão, que aproveita a comemoração do Dia do Idoso no país para publicar os dados.

O volume de centenários aumentou no Japão de maneira contínua desde 1971 e as autoridades preveem que esta tendência continue, principalmente devido aos avanços em matéria de tratamentos médicos e pela conscientização sobre a saúde. EFE