Sobrinho de Bolsonaro é condenado por bater em namorada

Orestes Bolsonaro, sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)
Orestes Bolsonaro, sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (Foto: Reprodução)

Orestes Bolsonaro Campos, 41, sobrinho do presidente Jair Bolsonaro (PL), foi condenado por agressão a uma namorada.

Segundo informações do jornalista Rogério Gentile, do portal UOL, Orestinho, como é conhecido, deu tapas em Ana Carolina, puxou seu cabelo e a arrastou pelo chão durante uma festa, segundo denúncia feita pelo Ministério Público.

O caso, de acordo com a Justiça paulista, aconteceu em 17 de setembro de 2020.

A jovem, que tinha 17 anos na época, disse para a Justiça que se relacionava esporadicamente com o sobrinho de Bolsonaro.

De acordo com ela, após ingerir bebida alcoólica na festa, foi descansar em um quarto e foi acordada por Orestinho com um puxão de cabelo.

Ele também a balançou no ar, a jogou no chão e tentou bater no ex-namorado da jovem, mas outras pessoas o detiveram.

Depois, na frente da casa, ele a agrediu novamente até que ela conseguiu entrar no carro do ex-namorado e fugir. Ela afirmou ter ficado com marcas na coxa e no joelho e um “galo” na cabeça.

Orestes Bolsonaro Campos negou a acusação à Justiça, e disse que foi à festa com Ana, mas que percebeu que os dois haviam sumido e foi até o quarto ver o que estava acontecendo.

Segundo ele, ao flagrar os dois se beijando sem roupas, o ex-namorado veio para cima, e que ele apenas se defendeu.

Ele disse ainda que Ana entrou na briga para defender o ex-namorado e acabou sendo empurrada, mas declarou não saber se foi ele ou o ex-namorado que empurrou a jovem.

Ainda de acordo com o jornalista Rogério Gentile, Orestinho foi condenado pagar uma indenização de R$ 15 mil à jovem.

Além disso, ele foi condenado a uma pena quatro meses de detenção em regime inicial aberto, mas foi beneficiado com a suspensão condicional da pena. Ele pode recorrer da decisão.

Outro caso

O sobrinho de Bolsonaro é réu em um outro processo: ele é acusado de tentar matar a ex-mulher e o atual namorado dela.

Orestinho foi denunciado pelo Ministério Público e a Justiça determinou que ele seja julgado por um júri popular. A data não está definida.

À Justiça, ele admitiu que estava armado quando invadiu a casa da ex-esposa, mas negou que tenha tentado matá-la.

Sobre o namorado dela, o sobrinho de Bolsonaro declarou que “não houve uma tentativa de homicídio, mas uma briga”.