Sofia Manzano defende fim da LRF e valorização de servidores públicos

A candidata à Presidência da República pelo PCB, Sofia Manzano, disse hoje (26) que a boa prestação de serviço público passa pelo fim da Lei de Responsabilidade Fiscal e pela valorização de servidores. Em meio à agenda de campanha que cumpre em Maringá (PR), ela reiterou as críticas que tem feito ao agronegócio brasileiro.

“O Agro não é pop”, disse a candidata ao classificar o setor agropecuário como a “indústria da pobreza no Brasil”. Disse ainda que seria a única candidata à Presidência a “enfrentar o agronegócio”.

“Iremos enfrentar o agronegócio porque, além de promover concentração de terra nas mãos de poucos, ele não produz comida de verdade, mas mercadorias para exportação. Ele paga pouquíssimos tributos e emprega muito pouca gente. Além disso, é o responsável pelo envenenamento dos rios; pelos produtos tóxicos que envenenam a comida e os trabalhadores; e pelo desmatamento e violência no campo”, disse ela em vídeo publicado no Twitter.

Na mesma rede social, Sofia Manzano voltou a defender o serviço público brasileiro e a valorização dos servidores. “Na defesa do serviço público, pelo fim da Lei de Responsabilidade Fiscal", twittou ao defender a "utilização dos recursos públicos na valorização dos serviços públicos estatais”.

A candidata concedeu entrevistas à Rádio Pinga Fogo pouco antes de se dirigir à Escola Milton Santos de Agroecologia (MST). Ainda hoje fará panfletagens e participará de um debate sobre crise política e construção do poder popular na Associação de Docentes da Universidade Estadual de Maringá.