SoftBank quer formar "aliança estratégica" entre Arm e Samsung

Logotipos da ARM e do SoftBank Group

Por Sam Nussey e Joyce Lee

TÓQUIO/SEUL (Reuters) - O fundador e presidente-executivo do SoftBank, Masayoshi Son, disse nesta quinta-feira que planeja se reunir com a Samsung para discutir uma possível "aliança estratégica" entre a gigante de tecnologia sul-coreana e a designer de chips Arm.

"Gostaria de conversar com a Samsung sobre uma aliança estratégica com a Arm", disse Son em comunicado.

A declaração vem após os comentários de Jay Y. Lee, vice-presidente da Samsung, à News1 de que Son "pode ​​fazer uma proposta" em uma visita prevista para o próximo mês. A Samsung não comentou a reportagem.

O SoftBank adquiriu a Arm, cuja tecnologia alimenta o iPhone, da Apple, e quase todos os outros smartphones, em 2016, por 32 bilhões de dólares. Depois, um acordo para venda da Arm à Nvidia despertou a oposição da indústria e foi cancelado diante de obstáculos regulatórios, levando o SoftBank a desenhar planos para uma listagem da unidade nos Estados Unidos.

A visita ocorre em meio a especulações sobre a potencial formação de um consórcio industrial para investir na Arm e garantir sua neutralidade.

"Uma potencial proposta poderia ser que empresas interessadas em deter uma fatia da Arm consigam entrar em uma operação pré-IPO, a um preço mais baixo", disse Lee Min-hee, analista da BNK Investment & Securities.

Uma aliança com a Arm pode ser estratégica para a Samsung, que é líder do mercado em chips de memória e investe pesadamente para tentar alcançar a TSMC em chips lógicos.

Outros possíveis pretendentes da Arm incluem a Intel, uma vez que o presidente-executivo da empresa, Pat Gelsinger, manifestou em fevereiro interesse em se juntar a um consórcio para comprar a designer de chips.

A SK Hynix, rival da Samsung, também manifestou interesse na Arm, de acordo com a agência de notícias Yonhap.

A Qualcomm, também citada como potencial investidora, está sendo processada pela Arm, que a acusa de quebrar acordos de licença e violação de marca.