Solidariedade, de Paulinho da Força, vai apoiar tucano Rodrigo Garcia e Lula

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 03.05.2022 - Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, e Lula, durante evento de oficialização de apoio do partido ao petista. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 03.05.2022 - Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, e Lula, durante evento de oficialização de apoio do partido ao petista. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Solidariedade, comandado pelo deputado federal Paulinho da Força (SP), definiu uma combinação inusitada de acordos eleitorais: em São Paulo, apoiará o governador Rodrigo Garcia, do PSDB, e na disputa federal, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Alexandre Pereira da Silva, filho de Paulinho, é deputado estadual em São Paulo e teve papel decisivo na costura do acordo em favor do tucano, com quem construiu boa relação nos últimos anos. O PT tentou em diferentes ocasiões atrair o Solidariedade para a base de apoio de Fernando Haddad, mas não teve sucesso.

O governador tucano, candidato à reeleição, terá assim uma coligação com partidos que apoiam ao menos cinco presidenciáveis: Simone Tebet (PSDB, Cidadania e MDB), Luciano Bivar (União Brasil), Jair Bolsonaro (PP), Lula (Solidariedade) e André Janones (Avante).

A aliança com Garcia será oficializada na convenção do Solidariedade, em 30 de julho, mas já é dada como certa pelos dirigentes do partido e pelo governador.

Como presidente do Solidariedade, Paulinho faz parte do conselho político da campanha presidencial de Lula. Ele participou da reunião de segunda-feira (11) em que foi discutida a escalada de violência contra apoiadores do petista, por exemplo.

O Solidariedade teve origem na Força Sindical, que congrega sindicatos de diferentes setores. A Força tem se engajado na campanha de Lula, mas, segundo seus dirigentes, não deve tomar posição em relação à disputa estadual em São Paulo. A expectativa é a de que, diferentemente do Solidariedade, a base sindical da central se una a Haddad.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos