“Som misterioso” ouvido por diplomatas dos EUA em Cuba e confundido com arma sônica era feito por grilos

Embaixada dos EUA em Havana (Wikimedia Commons)

Em 2016, enquanto Cuba e Estados Unidos retomavam suas relações, após anos de rompimento, um mistério começou a rondar a embaixada-norte americana na capital Havana.

Alguns diplomatas passaram a sentir vertigem e dores de cabeça ao escutarem um “som misterioso” – na época, cogitou-se que o ruído seria provocado por uma arma sônica. No entanto, após analisarem o caso, cientistas concluíram que o barulho era provocado por pequenos grilos, comumente achados em Cuba.

Leia mais:
Emissora divulga estado de saúde de bebê nascido de mulher em coma há 14 anos
Por 30 metros, homem escapa de raio que matou mulher e filha

A pesquisa foi divulgada nos primeiros dias deste ano, durante um encontro de biólogos em São Francisco, nos Estados Unidos.  Os cientistas investigaram o som gravado pelos membros da embaixada e perceberam que não havia nada de anormal com ele.

Outra pesquisa, de fevereiro de 2018, já havia desmentido a hipótese do uso de arma sonora contra os americanos.

Apesar disso, o governo de Donald Trump sustenta que os diplomatas foram alvo de algum tipo de ataque por parte de Cuba e revogou os acordos econômicos e políticos firmados durante o governo Obama. Em resposta, Cuba diz que os Estados Unidos estavam caluniando seu país.