Sommelier de vacina: em 8 cidades de SP, 437 pessoas já foram pro fim da fila por recusar imunizante

·2 minuto de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - JUNE 18: A health worker prepares a CoronaVac vaccine against COVID-19 during an immunization campaign for people at José Marcílio Malta Cardoso Basic Health Unit on June 18, 2021 in Sao Paulo, Brazil. According to official figures released by the Health Minister, the death toll in Brazil is approaching half a million victims. President Jair Bolsonaro faces a probe as the country undergoes the second-deadliest COVID-19 outbreak outside of the United States. Protests are being held against the Copa America, which is being played in four Brazilian cities amid a surge in cases and deaths.  (Photo by Rodrigo Paiva/Getty Images)
Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images
  • Números são apenas do mês de julho de pessoas que assinaram termo de recusa e responsabilidade

  • Município com mais recusas foi São José do Rio Preto

  • Capital também deve aprovar a medida

Até agora, em julho, 437 pessoas assinaram o termo de recusa da vacina contra a Covid-19 nas 8 cidades do estado de São Paulo que adotaram a medida. Com o novo protocolo, pessoas que chegam aos pontos de vacinação nesses municípios e não querem receber a vacina disponível por conta da marca, devem assinar o documento e vão para o fim da fila da imunização.

As cidades que já adotaram o protocolo são: São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul, no ABC Paulista; Osasco e Embu das Artes, na Grande São Paulo; Campinas; São José do Rio Preto; e Jales. O município de Urupês também instaurou a medida, mas ainda não houve nenhuma recusa de vacinação.

Em todas essas cidades é obrigatório assinar o termo de “recusa e responsabilidade” caso a pessoa se recuse a receber uma certa marca de vacina.

Leia também:

O local com mais assinaturas foi São José do Rio Preto, onde 109 pessoas se recusaram a receber o imunizante na hora de se imunizar. Em seguida vem Osasco, com 82 assinaturas; São Caetano, com 80; Campinas, com 59; São Bernardo, com 53; Embu das Artes, com 41; e, por fim, Jales, com 13.

Antes da medida, a maioria das cidades não tinham controle do número de pessoas que se recusaram a receber o imunizante. São Bernardo, no entanto, informou ao portal Agora que apenas no dia anterior à adoção do termo, foram 222 recusas. Em São Caetano, até o dia 1º de julho, foram 635 pessoas que se negaram a receber a dose.

Outras localidades estão estudando implementar o termo. Entre elas, Guarulhos, na Grande São Paulo, onde um projeto de lei está em tramitação na Câmara Municipal, para que pessoas que recusem a vacina sejam colocadas no fim da fila.

Na capital paulista, um projeto de lei foi aprovado na Câmara Municipal na última sexta-feira (16), que instaura a mesma medida na cidade. O texto deve ser sancionado pelo prefeito Ricardo Nunes (PSDB).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos