'Somos parte do legado de Floyd', diz Kamala Harris após veredicto de ex-policial

PATRICIA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Legado foi a palavra que permeou o discurso da vice-presidente dos EUA, Kamala Harris, e do mandatário americano, Joe Biden, sobre a condenação de Derek Chauvin pelo assassinato de George Floyd, nesta terça (20). O ex-policial foi considerado culpado pelo assassinato e condenado em três categorias de homicídio. A duração da pena será anunciada em até oito semanas, e ele pode pegar até 40 anos de prisão. Primeira mulher negra na Vice-Presidência americana, Kamala falou primeiro e afirmou que o veredito é um passo, mas ainda há trabalho a fazer e insistiu que o Senado aprove a Lei George Floyd de Justiça no Policiamento, apresentada em agosto do ano passado. "Precisamos reformar o sistema. Essa lei é parte do legado de George Floyd", disse a vice, descendente indiana e jamaicana. "Somos todos parte do legado de George Floyd, é nosso dever honrá-lo." Kamala sublinhou ainda as difíceis condições de pessoas negras no país. "Americanos negros e homens negros em especial têm sido tratados como se fossem menos que humanos", afirmou a vice. "Suas vidas precisam ser valorizadas em nossos sistemas educacional, de habitação, judiciário e na nossa nação." Na sequência, o presidente também insistiu na necessidade de reformas. "[O caso] Abriu os olhos para o racismo sistêmico que é uma mancha na alma da nossa nação", disse Biden. "Esse pode ser um grande passo adiante." O democrata reconheceu a importância do veredito, apesar de criticar que não deveria levar um ano para que o caso fosse concluído, e ressaltou que o resultado é uma raridade nesses tipos de casos. "Esse veredito não traz George de volta, mas por meio da dor, sua família encontrou propósito. Precisamos fazê-lo por sua memória", disse Biden. "Vamos fazer com que esse seja seu legado, um legado de paz, não de violência." O presidente condenou ainda protestos violentos que tentam atrapalhar o caminho para a justiça racial. "Não podemos deixar que tenham sucesso. Não pode haver um porto seguro para o ódio nos EUA." No ano passado, durante as manifestações antirracismo que se espalharam pelo país, indivíduos que eram contra os atos investiram contra ativistas com atropelamentos, armas de fogo, motosserra e até arco e flecha. Em um dos casos, em junho do ano passado, um homem branco usou o carro para entrar no meio de uma manifestação em Seattle, no estado de Washington. Um dos ativistas, um homem negro, tentou impedi-lo e acabou baleado no braço. Empunhando a arma, o motorista deixou o carro e correu entre a multidão até se entregar à polícia. Segundo autoridades locais, o manifestante baleado foi levado ao hospital em condições estáveis, e ninguém mais ficou ferido. Na conclusão de sua fala, Biden lembrou as últimas palavras ditas por Floyd: "Eu não consigo respirar". "Não podemos deixar que elas morram com ele", disse o presidente. "Temos a chance de começar uma mudança na trajetória desse país. Espero fazer jus ao seu legado. Esse pode ser um momento de mudança significativa."