"Sou um diplomata", diz Bolsonaro, que não quer conversar com Macron

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Foto: Antonio Cruz/Agencia Brasil via AP
Foto: Antonio Cruz/Agencia Brasil via AP

O presidente Jair Bolsonaro garantiu, nessa sexta-feira (30), que fará contato com a premiê alemã Angela Merkel por telefones nos próximos dias. Ele também voltou a elogiar Donald Trump e, apesar de afirmar que não dialogará com Emmanuel Macron, presidente francês, chamou a si próprio de “diplomata”.

“O Trump tem dito também que não poderiam tomar uma decisão sem ouvir o Brasil. O Brasil é amigo de todo mundo e eu sou um diplomata. Eu sou uma pessoa afeita ao diálogo", disse o presidente a jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada.

Leia também

Apesar de exaltar suas qualidades conciliadores, Bolsonaro, que vem trocando farpas com Macron há dias, garantiu que não dialogará com o francês. “Estou pronto para conversar com qualquer um, menos com o senhor Macron. A não ser que ele se retrate sobre nossa soberania da Amazônia".

Bolsonaro compartilhou um video gravado no último fim de semana, durante encontro do G-7 na França, mostra Merkel dizendo ao presidente da França que iria telefonar para Bolsonaro para acabar com rumores de que os líderes europeus estariam contra o presidente brasileiro. “Está previsto um telefone dela [Merkel], sim”. O tema do diálogo deve ser a situação da Amazônia, apesar do assunto não ter sido confirmado por Bolsonaro.

Se a ajuda do G-7 não foi aceita por Bolsonaro, o auxílio norte-americano será bem-vindo. O presidente brasileiro disse que pediu ajuda a Trump. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) acompanha o chanceler Ernesto Araújo em viagem aos EUA para falar sobre as queimadas na Amazônia. “Talvez tenha uma novidade logo mais. O Ernesto e o Eduardo estão lá nos Estados Unidos. Talvez eles tenham algo para nos adiantar sobre a conversa com o Trump. Eu pedi para o Trump nos ajudar”, garantiu.

Por fim, o presidente ainda criticou os embaixadores do Brasil, ainda que não tenha sido questionado pelos jornalistas sobre o tema. Ele reclamou que não há fotos suas penduradas nas embaixadas ao redor do planeta.

“Todos os embaixadores, ai meu Deus do céu. Inclusive as embaixadas, olha meu Deus do céu. Não tem minha fotografia nas embaixadas. Não sou narcisista, não. É uma questão de protocolo. Será que tem embaixador pensando no Lula Livre um dia ainda? Pelo amor de Deus", finalizou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos