Sozinha, vacina é insuficiente para vencer covid-19, adverte OMS

·1 minuto de leitura
O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na sede da organização em Genebra, 3 de julho de 2020
O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na sede da organização em Genebra, 3 de julho de 2020

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, alertou nesta segunda-feira (16) que apenas uma vacina não será suficiente para derrotar a pandemia da covid-19.

"Uma vacina vai completar as outras ferramentas que temos, não substituí-las", declarou Tedros, durante o conselho executivo da OMS.

Desta vez, ele estava presente na sala, após ter-se posto em quarentena em 2 de novembro, por ter tido contato com uma pessoa com diagnóstico positivo para o novo coronavírus.

Em relação à vacina, o diretor-geral e outros diretores da OMS passaram os últimos dias amenizando o otimismo gerado pelo anúncio da Pfizer e da BioNTech de terem dados preliminares de uma vacina na fase III, com uma eficácia de 90%. 

"Inicialmente, as quantidades serão limitadas e, portanto, terão prioridade o pessoal de saúde, os idosos e as pessoas de maior risco. E esperamos que isso reduza o número de mortes e permita aos sistemas de saúde resistir", afirmou o diretor-geral.

"Mas isso ainda vai deixar muito espaço para o vírus operar", insistiu, pedindo que não se abandonem as medidas de prevenção à propagação do vírus, como os testes e as quarentenas.

vog/apo/pz/me/zm/tt