SP: 76% dos internados com covid-19 no Emílio Ribas não se vacinaram

·2 min de leitura
SAO PAULO, BRAZIL - MAY 20: Nurse technician Marlon Samuel cares for a COVID-19 patient in the Intensive Care Unit (ICU) of a former men’s hospital, which has been converted into a field hospital for COVID-19 patients, on May 20, 2021 in Sao Paulo, Brazil. The hospital currently has 20 ICU beds, 16 of which are occupied. Health experts are warning that Brazil should brace for a new surge of COVID-19 amid a slow vaccine rollout and relaxed restrictions. The state of Sao Paulo has registered more than 3 million cases of COVID-19 and more than 100,000 deaths. More than 440,000 people have died in Brazil by COVID-19, second only to the U.S. (Photo by Mario Tama/Getty Images)
SAO PAULO, BRAZIL - MAY 20: Nurse technician Marlon Samuel cares for a COVID-19 patient in the Intensive Care Unit (ICU) of a former men’s hospital, which has been converted into a field hospital for COVID-19 patients, on May 20, 2021 in Sao Paulo, Brazil. The hospital currently has 20 ICU beds, 16 of which are occupied. Health experts are warning that Brazil should brace for a new surge of COVID-19 amid a slow vaccine rollout and relaxed restrictions. The state of Sao Paulo has registered more than 3 million cases of COVID-19 and more than 100,000 deaths. More than 440,000 people have died in Brazil by COVID-19, second only to the U.S. (Photo by Mario Tama/Getty Images)
  • Entre os pacientes com covid-19 no hospital Emílio Ribas (SP) 76% não têm a vacinação completa

  • Hospital é referência no tratamento de doenças contagiosas

  • Dos 50 pacientes internados, 38 não se vacinaram ou não completaram a imunização

Em São Paulo, 76% dos pacientes internados com covid-19 no hospital Emílio Ribas, referência no tratamento de doenças contagiosas, não têm a vacinação completa contra a doença, informou a secretaria estadual da Saúde neste sábado (15).

O hospital tem 50 pacientes internados em enfermaria ou Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com suspeita ou confirmação de covid. Destes, 38 não se vacinaram ou não completaram a imunização, de acordo com reportagem do portal G1.

Para o levantamento, o governo estadual considerou a quantidade de doses indicada para cada indivíduo no calendário atual. Para pacientes que tomaram a segunda dose há mais de quatro meses, mas ainda não receberam a dose de reforço, a vacinação foi considerada incompleta.

O mesmo critério foi usado para aqueles que receberam a dose única (vacina da Janssen) há mais de dois meses e não tomaram o reforço.

No caso de imunossuprimidos, a dose de reforço deve ser tomada 28 dias após a última dose do esquema vacinal (segunda dose ou dose única), e uma quarta dose deve ser aplicada quatro meses após o reforço.

A informação sobre a vacinação contra a covid-19 é um dos campos que os profissionais de saúde podem preencher ao notificar ao Ministério da Saúde a internação de um paciente com coronavírus. No entanto, no estado de São Paulo, os dados até dezembro de 2021 mostram que boa parte dos registros de pacientes graves não tem o campo sobre vacinação preenchido.

Por isso, o cálculo do percentual de vacinados entre todos os internados com covid no estado fica comprometido, já que apenas uma parcela das fichas traz essa informação. Apesar disso, alguns hospitais privados e públicos, como o Emílio Ribas, fazem o próprio monitoramento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos