SP começa a aplicar Pfizer na falta de 2ª dose de AstraZeneca, mas estoque é insuficiente

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO — Na falta de vacinas da AstraZeneca, a cidade de São Paulo começou a aplicar o imunizante da Pfizer para pessoas com a segunda dose atrasada na capital. A medida vale para quem deveria completar o esquema vacinal entre os dias 1° e 15 deste mês.

Segundo o secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, São Paulo recebeu 165 mil doses da Pfizer para essa finalidade. A remessa foi distribuída entre os postos de saúde do município na manhã desta segunda-feira, e a aplicação começou à tarde.

A quantidade de doses, porém, é insuficiente para suprir o déficit. Segundo o secretário municipal da Saúde, o contingente de espera para a segunda dose até o dia 15 chega a 340 mil pessoas na capital paulista. Segundo ele, é difícil fazer uma previsão de quando será possível abarcar a vacinação para todo o grupo:

— Dependemos da Fiocruz e do Ministério da Saúde.

O governo do estado de São Paulo afirma que não há previsão de envio de novas doses do imunizante à capital. Para isso, reforça, também depende de remessas do Ministério da Saúde.

No final de semana, o governo do estado distribuiu 400 mil doses extras de Pfizer que chegaram e oram remanejadas para a aplicação desta segunda dose. A medida, afirmou, foi adotada diante do “apagão” do Ministério da Saúde que, segundo o governo paulista, deixou de enviar quase um milhão de doses ao estado em setembro.

Ministério defende critérios para 2ª dose

A utilização de imunizantes diferentes para completar o esquema vacinal foi defendida pelo Comitê Científico que assessora o governo estadual na gestão da pandemia, com base em orientações do próprio Ministério da Saúde.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta segunda-feira, porém, que são necessários critérios na utilização de dois imunizantes diferentes no mesmo esquema vacinal.

— Se por ventura a AstraZeneca, por contas operacionais, faltar eventualmente, se usa a intercambialidade. Mas o critério não pode ser faltou um dia já troca senão a gente não consegue avançar — afirmou.

Na capital paulista, as pessoas que foram aos postos de saúde para a segunda dose atrasada tiveram que assinar um termo de consentimento autorizando a vacinação com mudança de marca.

A prefeitura espera ainda utilizar doses da Pfizer para aplicação da dose de reforço para idosos. Mas, para isso, também depende do recebimento de novos lotes do imunizante.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos