SP começa a vacinar idosos em 8 de fevereiro, anuncia Doria

THIAGO AMÂNCIO
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta sexta-feira (29) que o estado começará a vacinar contra a Covid-19 idosos que vivem fora de asilos a partir de 8 de fevereiro. Nessa data, 206 mil pessoas com mais de 90 anos começarão a ser vacinadas. Uma semana depois, a partir de 15 de fevereiro, mais 309 mil pessoas com 85 anos ou mais serão vacinadas. No total, 515 mil idosos serão vacinados. A primeira fase, com trabalhadores da saúde, indígenas e quilombolas, envolveu a vacinação de 1,6 milhão de pessoas. Doria não deu data para o começo da vacinação em idosos com menos de 85 anos, mas afirmou que eles fazem parte do grupo prioritário. Segundo o governador, 1/3 das pessoas com mais de 85 anos que foi diagnosticada com Covid-19 morreu. Outros estados já começaram a vacinar idosos que vivem fora de asilos. O governador afirmou ainda que o estado está entregando mais 1,8 milhão de doses da coronavac, produzida pelo Instituto Butantan, para o Ministério da Saúde -das quais 410 mil ficarão em São Paulo. O estado vacinou 328 mil pessoas até o meio dia desta sexta. Segundo Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, na próxima terça-feira (2) mais 900 mil doses devem ser liberadas, data em que chegarão 5.400 litros de insumos para a produção de mais vacinas. Doria voltou a cobrar o Ministério da Saúde, da gestão Jair Bolsonaro, seu adversário político. "Para vacinarmos mais rapidamente, não apenas São Paulo, mas todo o Brasil precisa de mais vacinas. E eu volto a cobrar, solicitar, que o Ministério da Saúde do Brasil, cumpra sua parte e viabilize mais vacinas", disse. "O Ministério da Saúde tem que cumprir a sua parte. Não é só São Paulo que tem que trabalhar pela vacina. O governo federal tem obrigação de fazê-lo e trazer as vacinas que se prontificou a trazer e até agora não trouxe." Doria anunciou também o cancelamento do ponto facultativo no feriado de carnaval, assim como já tinha feito a prefeitura da capital paulista, para conter a disseminação do coronavírus. O governador afirmou ainda que as internações e mortes em SP caíram nas duas últimas semanas. Dimas Covas afirmou ainda que os contratos de outros países da América Latina para compra da coronavac foram feitos diretamente com a Sinovac, desenvolvedora chinesa que criou a vacina, e não afeta a produção de vacinas no Brasil.