SP mantém índice de isolamento social e tem queda na ocupação de UTIs

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** BRAGANÇA PAULISTA, SP, 02.03.2021 - Equipe médica durante tratamento de paciente com Coronavírus na UTI do Hospital Universitário São Francisco, em Bragança Paulista (SP). Bragança Paulista, no interior de SP, está em situação crítica por conta do avanço da contaminação por Coronavírus. As UTIs locais estão lotadas e a cidade adota medidas restritivas. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** BRAGANÇA PAULISTA, SP, 02.03.2021 - Equipe médica durante tratamento de paciente com Coronavírus na UTI do Hospital Universitário São Francisco, em Bragança Paulista (SP). Bragança Paulista, no interior de SP, está em situação crítica por conta do avanço da contaminação por Coronavírus. As UTIs locais estão lotadas e a cidade adota medidas restritivas. (Foto: Eduardo Anizelli/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O estado de São Paulo tem nesta quarta-feira (23) 78% dos leitos de UTI e 61,5% dos de enfermaria ocupados. O número é menor do que o registrado há sete dias, quando o estado tinha 81,7% dos leitos de UTI ocupados. Há duas semanas, o índice era ainda maior (82,1%).

Na região metropolitana, 73,8% das UTIs e 56,9% das enfermarias estão ocupadas agora, índice que para a terapia intensiva era de 78,6% há uma semana e de 79,4% há 14 dias.

Já o índice de isolamento social permanece estável. Nesta terça-feira (22), o estado manteve a média de 40%, o mesmo valor das semanas passada e retrasada. A capital paulista segue a tendência do estado.

A cidade registrou estabilidade no número de passageiros nos ônibus, de carros nas ruas e de lentidão do trânsito, na comparação com a semana passada, segundo dados da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) desta quarta-feira.

A média da lentidão no trânsito foi de 65 km e o volume de veículos na cidade foi de 6,3 milhões, exatamente igual a última quarta-feira (16). Já de acordo com a SPTrans, cerca de 1,88 milhão de pessoas foram transportadas em 11.312 ônibus pela capital.

Embora haja redução das internações, o estado vive um momento de piora nos índices de casos e mortes. Foi isso que levou o governo João Doria (PSDB) a prorrogar novamente a fase de transição do Plano São Paulo até o dia 15 de julho. A última atualização do plano previa a fase de transição até o dia 30 de junho.

Os estabelecimentos continuam com funcionamento permitido só até 21h, com lotação máxima de 40%. Além disso, há toque de recolher entre 21h e 5h.

Segundo o governo estadual, é o indicador do número de internações o que mede melhor o atual momento da pandemia. Esta fase mais restritiva vigora desde 18 de abril e o governo vem adiando o avanço para a próxima etapa, de maior flexibilização.

São Paulo ultrapassou a marca de 3,6 milhões de casos confirmados de Covid-19, segundo dados do governo paulista. São 123.825 mortes pela doença, com taxa de letalidade em 3,4% -maior que taxa a nacional, de 2,8%.

No Brasil, até esta quarta, foram registrados mais de 18 milhões de infecções pelo vírus, com 504 mil óbitos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos